Médico do presidente diz que 'quadro é benigno'

Crise foi provocada por estresse, gripe e cansaço, disse Cléber Ferreira, médico particular de Lula

Clarissa Oliveira e João Domingos, O Estado de S. Paulo Enviados Especiais ,

28 de janeiro de 2010 | 05h55

O médico Cléber Ferreira, que acompanha o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a crise hipertensiva sofrida por ele na noite de ontem foi um caso atípico, que não condiz com o padrão de saúde do presidente. "Foi um quadro esporádico. Ele não é hipertenso e a pressão dele é absolutamente normal, sempre foi. Para uma pessoa na idade dele, a pressão dele é invejável:110 x 80. Então, a gente sabe que foi um quadro esporádico", afirmou o médico.

 

Ele atribuiu a crise a um "conjunto de fatores", mais especificamente estresse, cansaço e uma gripe. "Foi um pouquinho de cada coisa", disse.

 

"Mas a pressão dele se normalizou rapidamente, quase sem nenhuma medicação", completou o médico, detalhando que administrou um diurético ao presidente. "Isso mostrou o quadro benigno do caso dele." O médico disse que a viagem do presidente a Davos, na Suíça, onde participaria do Fórum Econômico Mundial, foi cancelada quando ele já se encontrava dentro do avião. "Foi por ordem médica que ele não viajou", contou. Segundo ele, Lula insistiu até o último minuto em decolar com destino a Zurique, de onde viajaria novamente de tem ou de helicóptero, para chegar à cidade que servirá de sede ao fórum.

Tudo o que sabemos sobre:
LulahipertensãoRecife

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.