Médico desmente disputa de poder no Instituto do Câncer

O médico Daniel Tabak, ex-coordenador do Centro de Transplante de Medula Óssea (Cemo), refutou a tese de que a crise no Instituto Nacional do Câncer tenha sido motivada por ?disputa de poder?, conforme aponta o relatório da comissão externa da Câmara dos Deputados, que investigou denúncias defavorecimento na fila de transplante de medula óssea. ?O que houve foi o seguinte: não existiam recursos para a realização dos transplantes, o que levou os pais de pacientes a procurarem políticos, os políticos a pressionarem o Ministério da Saúde, e o ministério a tentar beneficiar alguns pacientes?, resumiu o médico.Tabak disse ter estranhado que a conclusão da comissão externa tenha sido ?tão distinta? daquela a que chegou a comissão de sindicância do Ministério da Saúde. ?Depois de 30 dias de processo, em que mil documentos foram analisados, a comissão de sindicância concluiu que houve favorecimento e trâmites equivocados. Que poder eu estaria disputando? Eu defendi apenas pacientes prejudicados pela falta de recursos para os transplantes?, afirmou. ?Minha expectativa é que a ação iniciada pelo Ministério Público na semana passada chegue à conclusão diferente?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.