Médico de Lula diz que tratamento foi 100% um sucesso

Equipe deve avaliar agora a periodicidade de novos exames para avaliar a cura definitiva da doença

Daiene Cardoso, da Agência Estado

28 de março de 2012 | 14h21

O chefe da equipe médica que trata o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Roberto Kalil Filho, afirmou há pouco que o tratamento de combate a um câncer na laringe do petista acabou e ele está oficialmente em alta hospitalar. Em conversa informal com os jornalistas, Kalil disse: "O tratamento foi 100% um sucesso, ele está bem." O médico afirmou, ainda, que a equipe ainda não decidiu qual será a periodicidade das avaliações a que Lula será submetido nos próximos cinco anos, tempo necessário para avaliar a cura definitiva da doença.

 

Para Kalil, o mais importante agora é que Lula "está livre (do tratamento penoso de combate ao câncer)". Na conversa informal com os jornalistas, ele lembrou que o ex-presidente ainda tem uma leve inflamação na garganta, o que é considerado normal para quem foi submetido a 33 sessões de radioterapia. Além deste tratamento, Lula fez ainda três ciclos de quimioterapia.

 

A equipe médica recomendou que Lula descanse e poupe a voz nas próximas semanas. Isso não impede, porém, que ele reassuma suas atividades políticas. Segundo Kalil, Lula contou que pretende tirar um período de férias. Os exames realizados nesta quarta-feira, 28, pelo ex-presidente indicaram o desaparecimento do tumor na laringe e Lula deve gravar um vídeo, que será divulgado logo mais, para falar do assunto, pois depois dos exames realizado pela manhã, deixou o hospital sem falar com a imprensa.

 

Kalil contou também que Lula ficou muito feliz e se emocionou ao receber o diagnóstico da equipe médica. E que ele continuará fazendo o tratamento de fonoaudiologia. A expectativa era de que os médicos anunciassem o desaparecimento do tumor, em coletiva de imprensa, mas o hospital decidiu que a divulgação do resultado dos exames seria feita apenas por boletim médico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.