Médico confirma que tumores de Alencar regrediram

Vice-presidente foi submetido a mais uma sessão de quimioterapia nesta quarta-feira em São Paulo

RICARDO LEOPOLDO, Agencia Estado

17 de março de 2010 | 12h44

O médico-cirurgião Raul Cutait afirmou nesta quarta-feira, 17, que a sessão de quimioterapia pela qual o presidente da República em exercício, José Alencar, será submetido nesta tarde no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, está dentro do "programado" para a continuidade do tratamento. "Na semana passada fizemos exames com o vice-presidente e constatamos que os tumores na região do abdome estão regredindo. Isto é um sinal de que o tratamento está indo bem, o que permite a continuidade das sessões de quimioterapia", afirmou. 

Veja também:    

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Alencar nega candidatura e diz trabalhar por Dilma

De acordo com ele, não há um prazo definido para o encerramento das sessões às quais Alencar é submetido. "Enquanto a saúde dele estiver reagindo bem, vamos continuando com a quimioterapia", disse o médico. "Eu estou me sentindo muito bem e o tratamento que estou fazendo, com a orientação do dr. Paulo Hoff (oncologista), está sendo fantástico", afirmou Alencar, ao entrar no saguão do hospital.

Alencar reiterou que "é um soldado à disposição da (pré-)candidata do presidente Luiz Inácio Lula da Silva", a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Ele disse que atuará ativamente em Minas Gerais para que Dilma seja eleita presidente. Perguntado se tem disposição para, eventualmente, ser candidato a governador do Estado mineiro, Alencar sorriu e afirmou que esta condição "vai depender do que ocorrer daqui para frente", até mesmo das posições de líderes políticos regionais.

Mas o vice-presidente não descartou que será candidato a governador. Alencar ressaltou que, em política, nunca se deve definir uma posição definitiva. Mas como o estado de saúde dele evolui bem, disse que deve assumir uma posição política em Minas com "vigor". Alencar explicou que a sessão de quimioterapia estava prevista e ocorre no intervalo programado de 21 dias. Ele estava sorridente e mostrava animação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.