Mediador global, Ahtisaari ganha Nobel da Paz

O ex-presidente da Finlândia Martti Ahtisaari conquistou o Prêmio Nobel da Paz nesta sexta-feira pela sua longa carreira em busca pela paz da Namíbia ao Kosovo. O comitê norueguês do Nobel escolheu Ahtisaari para receber a premiação de 1,4 milhão de dólares de uma lista de 197 candidatos "pelos seus importantes esforços em vários continentes e por mais de três décadas para resolver conflitos internacionais". "Esses esforços contribuíram para um mundo mais pacífico, e para a 'fraternidade entre as nações' no espírito de Alfred Nobel", afirmou o comitê do prêmio. O sueco Nobel, inventor da dinamite, criou o prêmio em seu testamento de 1895. Ahtisaari, que foi presidente da Finlândia entre 1994 e 2000, teve uma longa carreira diplomática e era favorito para conquistar a premiação. Em 2005, ele mediou um tratado de paz entre a Indonésia e rebeldes da província de Aceh, encerrando 30 anos de conflito. Até março do ano passado ele liderava as negociações entre sérvios e albaneses em Kosovo como enviado da Organização das Nações Unidas. "Entre 1989 e 1990 ele desempenhou papel importante no estabelecimento da independência da Namíbia", disse o comitê. "Em 1999 e novamente entre 2005 e 2007 ele buscou, sob circunstâncias particularmente difíceis, encontrar uma solução em Kosovo", acrescentou. Ahtisaari, que supervisionou a transição da Namíbia para a independência como autoridade da ONU, disse considerar o trabalho que realizou no país do sul da África como sua contribuição mais importante. "Naturalmente, fiquei muito feliz com a decisão", disse ele à emissora norueguesa NRK. O prêmio será entregue em Oslo, no dia 10 de dezembro, aniversário da morte de Nobel em 1896. (Reportagem adicional de Alister Doyle, Wojciech Moskwa, Richard Solem, Terje Solsvik e Olivia Rondonuwu)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.