MEC retoma debate sobre autonomia de universidades

O Ministério da Educação vai retomar o debate sobre autonomia das universidades federais. Uma comissão analisará, a partir desta semana, como dar mais poder às 52 entidades de ensino superior, sem precisar recorrer ao Congresso. O governo avalia a possibilidade de garantir, por exemplo, que os reitores possam definir formas de utilizar recursos e autorizar viagens de professores.Com 470 mil alunos, o sistema universitário federal é considerado por especialistas e políticos como um dos maiores "vespeiros" da administração. Em 2001, os professores do ensino superior ficaram 107 dias em greve. Foi o mais longo movimento sindical do governo tucano.Em sessão realizada nesta terça-feira no Conselho Nacional de Educação, órgão que define regras para o setor, o ministro da Educação, Cristovam Buarque, disse que as universidades não sofrem apenas a falta de dinheiro. "A universidade deixou de ser lugar de vanguarda e encantamento", afirmou.O ministro considera que o ensino superior utiliza poucos recursos eletrônicos e não acompanha as tranformações sociais e tecnológicas."Muitos livros quando chegam à sala de aula já estão defasados." O secretário de Ensino Superior do ministério, Carlos Roberto Antunes dos Santos, que tomou posse como novo representante do governo no CNE, avalia que em um mês será possível remover o "entulho burocrático" e tornar mais ágil o trabalho das reitorias.Cristovam defendeu o uso da dramaturgia televisiva para incentivar o gosto pela leitura. "Nenhum galã de novela se destaca e consegue arrumar namorada porque é estudioso. Só arruma namorada (em telenovela) o sarado", disse. "O estudioso e o alfabetizador devem ser os heróis."Em palestra para professores de uma escola de Brasília, Cristovam reclamou que as casas dos ricos das telenovelas não têm estantes com livros e sugeriu que as personagens ensinem as empregadas a ler e a escrever.Pela manhã, Buarque participou da posse de novos membros do CNE. A secretária de Educação Fundamental do MEC, Maria José Feres, assumiu cadeira na Câmara de Educação Básica do conselho. Já o secretário de Ensino Superior do ministério, Carlos Roberto Antunes, ex-reitor da Universidade Federal do Paraná, assumiu vaga na Câmara de Educação Superior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.