MEC doará obras literárias para estudantes

O Ministério da Educação (MEC) distribuirá, a partir de abril, uma coleção com seis obras literárias para os 8,4 milhões de estudantes de quarta e quinta séries do ensino fundamental montarem suas próprias bibliotecas. A seleção de livros de capa mole, feita por especialistas de todos os Estados, excluiu textos juvenis de autores como Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Jorge Amado, Lygia Bojunga Nunes, Érico Veríssimo e Monteiro Lobato.Ao custo de R$ 40 milhões, o governo comprará coleções apresentadas pelas editoras Ática, FTD, Moderna, Nova Fronteira, Companhia das Letras e Objetiva. A presença de textos "truncados" em quase 30 coleções apresentadas, segundo o MEC, deixou de fora autores que fizeram a história da literatura no século XX. E editoras tradicionais, como Record, Rocco e José Olympio. "O livro ?Colegas?, da Lygia Bojunga Nunes, por exemplo, ficou de fora pois fazia parte de uma coleção sem coerência", lamentou a professora carioca Esther Santos, uma das selecionadoras. Também foram excluídos texto de literaturas produzidas em determinados Estados e regiões do País. O professor amazonense Robert Rosas, outro participante da equipe de seleção, afirma que as editoras não economizaram na oferta de livros sobre lendas do Norte, mas sem qualidade literária. "Não encontrei nas obras o prazer e a emoção das narrativas indígenas", explicou Rosas.Ele afirma que, mesmo sem alguns autores importantes, as coleções que serão repassadas pelo MEC vão garantir aos estudantes o estímulo e o prazer da leitura. No total serão distribuídos 47,5 milhões de livros. O governo já disponibilizou no Orçamento de 2002 mais R$ 20 milhões para novas aquisições. A relação de coleções que ficaram de fora da lista de compra do MEC não foi disponibilizada à imprensa. Cada editora teve de apresentar coleções com uma obra de poesia, um livro de contos e outro de novelas, todos de autores brasileiros, mais um clássico universal e uma peça teatral ou antologia de tradição popular. Ao ser indagada sobre o fato de a escritora Clarice Lispector não estar na relação, a secretária de Ensino Fundamental, Iara Prado, disse desconhecer livros infanto-juvenis da autora de "A Mulher que Matou os Peixes".Da lista de livros que serão distribuídos, pelo menos três fizeram a cabeça do ministro da Educação. Paulo Renato Souza disse que leu "Os Miseráveis", de Victor Hugo, "A Ilha do Tesouro", de Robert Louis Stevenson, e "Odisséia", clássico grego que foi selecionado a partir de uma adaptação para crianças de Ruth Rocha. Fora as antologias poéticas incluídas, selecionadas pelos especialistas. "Os livros serão propriedade dos estudantes", ressaltou o ministro. "O importante é formar o hábito da leitura."Se faltou Érico Veríssimo, os especialistas incluíram na relação "O Santinho", obra de Luís Fernando Veríssimo, filho do escritor gaúcho. Também foram selecionados textos de Lygia Fagundes Telles, Machado de Assis, Marcos Rey, Pedro Bandeira, Ana Maria Machado, Mário Quintana, Carlos Drummond de Andrade, João Ubaldo Ribeiro, Manuel de Barros, Gonçalves Dias e Chico Buarque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.