MEC comprará novos livros para a rede pública

O ministro da Educação, Paulo Renato Souza, anunciou hoje que lançará, na próxima quarta-feira, um edital para compra de novas coleções de livros de literatura para serem distribuídos para crianças de 4ª e 5ª séries de escolas públicas do País. Ele fez o anúncio durante o lançamento da segunda edição da campanha Tempo de Leitura, que inclui a distribuição dos livros dentro do projeto Literatura em Minha Casa. A campanha de incentivo à leitura deverá durar até o próximo dia 25 e foi lançada hoje, Dia Nacional do Livro Infantil e do nascimento do escritor Monteiro Lobato.O número de livros da nova licitação será divulgado pelo ministro também na quarta-feira, em São Paulo. Ele informo que, para a edição atual do Literatura em Minha Casa, o MEC investiu R$ 55,7 milhões para a compra dos livros, fornecidos por seis editoras que escolheram os títulos e os submeteram à avaliação de uma comissão do ministério para aprovação. As editoras participantes são a Ática, FTD, Moderna, Objetiva, Nova Fronteira e Cia. Das Letrinhas.Foram distribuídos 60,92 milhões de livros para 139.119 escolas. De acordo com o ministro, 8,5 milhões de alunos de 4ª e 5ª séries receberão as obras literárias. "Serão beneficiados todos os alunos dessas séries, de todas as escolas brasileiras. Se houver alguma escola que até o final da próxima semana não tenha recebido os livros, precisamos saber", afirmou.São 30 títulos distribuídos em seis coleções de cinco livros cada, de autores como Carlos Drummond de Andrade, Ana Maria Machado, Luís Fernando Veríssimo, João Ubaldo Ribeiro, Vinícius de Moraes, Victor Hugo e Oscar Wilde (traduzidos), entre outros, abrangendo uma novela de autor brasileiro, um livro de contos, outro de poesia, também de autoria brasileira, uma obra de teatro ou de folclore regional, e um de literatura universal. "Temos a ´Odisséia´ e ´Os Miseráveis´ adaptados por autores brasileiros para as crianças", contou.A idéia é dar coleções diferentes para cada aluno levar para casa, e que eles troquem entre os colegas para poderem ler toda a coleção. Os professores também receberão os livros, para usarem em atividades na sala de aula. Ao levar os livros para casa, os alunos também beneficiam as famílias.Para evitar que os livros fiquem presos na escola e não sejam repassados aos alunos, o MEC iniciará na próxima semana uma campanha na televisão. "Pediremos justamente que as diretoras, tão logo recebam os livros, os repassem para os alunos. Fizemos uma pesquisa informal e nos demos conta de que em alguns casos a diretora prefere guardar o livro, o que é um absurdo, porque eles foram comprados para serem dados às crianças", contou. "Além disso, o presidente Fernando Henrique vai participar de uma campanha em cadeia de rádio e televisão pedindo isso às diretoras e também que as professoras usem os livros em sala de aula, que peçam às crianças para lerem, discutam em classe, escrevam sobre as histórias, que troquem de livro entre elas", completou.O objetivo da distribuição é incentivar o hábito da leitura nos alunos, desde cedo. "A leitura estimula o pensamento, a crítica, a capacidade de aprender. A criança que lê tem um desempenho melhor não só em Português, mas também em Matemática, porque aprende a raciocinar", destacou. De acordo com Paulo Renato, a escolha da 4ª série se deu porque é nessa idade que as crianças desenvolvem a completa capacidade de leitura e interpretação de texto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.