MDB diz que não fará oposição a Bolsonaro 'no curto prazo'

Após emplacar ministro no novo governo, partido de Michel Temer usa redes sociais para anunciar 'independência ativa'

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2018 | 12h54

O MDB, partido do presidente Michel Temer, vai manter uma "independência ativa" no governo de Jair Bolsonaro e diz que, no curto prazo, não fará nem oposição nem será base. "Discutiremos caso a caso", diz mensagem publicada na conta oficial do partido no Twitter.

"A partir de 1º de janeiro, o MDB manterá uma independência ativa. Apoiando medidas que buscam o crescimento do país, gestão eficiente e responsabilidade fiscal", diz uma das mensagens. Em outra, o partido defende que parlamentares conversem com o governo eleito. "Nós, enquanto partido, já deixamos nossa contribuição em forma de propostas para que os avanços que conquistamos na economia se mantenham!", afirma outra mensagem.  

O MDB garantiu um ministério no governo Bolsonaro. O deputado federal reeleito Osmar Terra (RS) vai comandar a pasta de Cidadania, fruto da fusão entre o Desenvolvimento Social, Cultura, Esporte e de partes do Trabalho.

Ainda nesta segunda-feira, o futuro ministro da Casa Civil e coordenador da equipe de transição, Onyx Lorenzoni, disse que o Ministério do Trabalho será extinto. Lorenzoni também confirmou que a nova Esplanada dos Ministérios deve ter 22 pastas no primeiro escalão de governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.