McCain diz que Rice, da ONU, pode mudar sua opinião sobre Benghazi

O senador John McCain, oponente da possível nomeação de Susan Rice como secretária de Estado, disse neste domingo que a embaixadora da ONU pode mudar sua ideia após explicar suas declarações sobre o ataque na missão dos EUA em Benghazi.

PATRICIA ZENGERLE, Reuters

25 de novembro de 2012 | 16h20

"Claro. Ela pode - eu daria a todo mundo o benefício da explicação de sua posição e das ações que tomaram", disse McCain no programa "Fox News Sunday" quando indagado se Rice poderia reverter sua oposição.

"Eu ficaria feliz de ter a oportunidade de discutir essas questões com ela", disse ele.

No que pode ser a primeira briga feia pela nomeação no segundo mandato do presidente Barack Obama, os republicanos criticaram Rice por aparecer no noticiário de domingo de manhã logo após o ataque de 11 de setembro em Berghazi, que matou quatro norte-americanos e dizer que informações sugeriam ter sido o resultado de protestos contra um filme anti-muçulmano ao invés de uma greve premeditada.

Durante a campanha presidencial dos Estados Unidos, apoiadores do candidato republicano Mitt Romney aproveitaram a questão para atacar Obama.

McCain prometeu se opor a qualquer tentativa de Obama de colocar Rice em uma posição que exige confirmação do Senado, enquanto o presidente se prepara para preencher as vagas previstas em seu gabinete.

Rice disse no início desta semana que respeita McCain e que quer uma chance de discutir a situação Benghazi com ele. A embaixadora da ONU se opôs à afirmação de que ela deliberadamente enganou o público na sequência do ataque de Benghazi.

McCain foi indagado sobre se Rice poderia obter seu voto para ser secretária de Estado, e respondeu: "Acho que ela merece a capacidade e a oportunidade de se explicar e explicar sua posição, assim como ela disse."

(Reportagem adicional de Jason Lange)

Tudo o que sabemos sobre:
GERALEUAMCCAIN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.