Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

MBL rompe com gestão Doria, e Holiday diz que vai 'infernizar' tucano na Câmara

Regulação do aplicativo de transportes Uber foi estopim para rompimento

Juliana Diógenes e Gilberto Amendola, O Estado de S. Paulo

22 Janeiro 2018 | 18h59

Menos de um ano após manifestar apoio ao nome do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), à presidência da República, o Movimento Brasil Livre (MBL) rompeu nesta segunda-feira, 22, com o tucano, e declarou guerra aos projetos do Executivo na Câmara Municipal.

O estopim para a separação foi a regulamentação das novas normas para motoristas de aplicativos de transporte como Uber. O anúncio de ruptura foi feito pelo líder do MBL e vereador Fernando Holiday (DEM) no Twitter. Ele afirmou que "rompimentos acontecem baseados em ideais e não em cargos ou interesses escusos".

Questionado sobre se o posicionamento de Holiday reflete a insatisfação do MBL como um todo, o coordenador do grupo, Kim Kataguiri, confirmou que a declaração de Holiday é acompanhada pelo movimento. "É uma coisa mais de longo prazo. A gente passa a não defender a gestão João Doria", disse ao Estado.

 

As regras para aplicativos, em vigor desde 10 de janeiro, determinam restrição de placa da cidade de São Paulo, de tempo máximo de fabricação dos veículos e adesivo colado no carro para identificar a empresa. Para Holiday, as novas normas excluem motoristas e vão causar desemprego, podendo deixar 50 mil famílias sem sustento.

"Tomei um posicionamento inicialmente pessoal de posição contrária à resolução. Mas a partir do momento em que a gestão Doria não abriu espaço para flexibilizar em absolutamente nada, conversei com o movimento e em conjunto decidimos adotar um discurso mais duro", disse Holiday. "Seremos muito críticos quando o governo falhar."

Para Kataguiri, a regulamentação dos aplicativos foi "o cúmulo". "A questão dos aplicativos foi uma das principais bandeiras da campanha do Doria, e também do MBL. Agora, com essa decisão, ele acaba com 50 mil empregos, acaba com o poder de escolha do usuário e vai deixar o serviço mais caro", disse.

Mas o "distanciamento" da gestão Doria - como define Holiday - não é de agora, segundo os líderes do MBL, e começou em abril do ano passado, quando houve atrito entre MBL e o secretário municipal da Educação, Alexandre Schneider, sobre o Escola Sem Partido.

O embate começou após Holiday fazer "vistorias" em escolas para verificar se os professores não estariam fazendo "doutrinação ideológica". A iniciativa foi criticada pelo secretário no Facebook, o que gerou uma campanha agressiva do MBL contra Schneider. Na ocasião, Doria não quis fazer críticas a Schneider ou ao MBL e optou pela neutralidade, afirmando que dava razão a ambos, mas ambos exacerbaram.

Ao mesmo tempo em que elogia o Movimento Brasil Livre (MBL), que se aproxima do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), Doria rejeita o rótulo de "direita". "Sou um liberal. A posição mais ao centro é a mais equilibrada", afirmou em outubro no ano passado. À época, a declaração do prefeito tucano incomodou o MBL.

Segundo Holiday, foi uma "declaração desastrosa" e "contraditória com o discurso de campanha". "É incompatível com o que acreditamos", disse o vereador.

Em novembro, um terceiro atrito abalou a relação entre MBL e Doria, quando o prefeito tucano sancionou imposto para a Netflix e outros serviços de streaming. Com a mudança, os serviços de transmissão de conteúdo passaram a ter de pagar desde dezembro uma alíquota de 2,9% na cidade.

O argumento para a iniciação da cobrança é a adequação, na cidade, de legislação federal sobre o tema, que apontou pela cobrança de Imposto Sobre Serviço (ISS) para essas empresas -- imposto cuja arrecadação é direito dos municípios, assim como o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

Apesar de ter confirmado o rompimento, Holiday disse que continuará apoiando, na Câmara, projetos do Executivo alinhados às bandeiras do MBL, como a reforma da previdência e o pacote de concessões.

"Há um rompimento com a gestão, mas isso não significa que não apoiaremos outras iniciativas vindas de lá. A Prefeitura deve mandar em breve projetos de reforma da previdência e o movimento é abertamente favorável, em âmbito nacional, ao tema, e não teria por que não ser favorável em São Paulo. O projeto de concessões e privatizações também vamos apoiar", disse.

Segundo o vereador, a estratégia agora será de obstruir projetos do Executivo. "Antes eu criticava na plenária, votava contra alguns projetos. Mas o processo de obstrução era só a oposição formal. A partir de agora, passarei a obstruir e infernizar a vida do prefeito e da sua equipe", afirmou.

MBL e Doria. Conforme informou o Estado, foi em 2017 que o MBL se consolidou como principal movimento político virtual brasileiro, ultrapassando Vem Pra Rua e Movimento Contra Corrupção. Os três se projetaram durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

No universo de publicações com a palavra "Doria" no Facebook ao longo de 2017, o MBL foi, de longe, o maior responsável por comentários, likes e compartilhamentos: 8 milhões de interações - quase o dobro das provocadas pela página oficial do próprio João Doria.

O movimento ajudou o pré-candidato a presidente pelo PSDB 80 vezes mais do que projetou o concorrente direto do prefeito paulistano. O MBL provocou apenas 100 mil interações com publicações que tinham a palavra "Alckmin" no seu conteúdo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.