Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

MBL estuda colocar telão para acompanhar julgamento de Lula

Equipamento seria instalado na Avenida Paulista durante uma 'manifestação'; ex-presidente foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva, e julgamento no TRF-4 de Porto Alegre pode confirmar a condenação

O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2018 | 12h33

O Movimento Brasil Livre (MBL) estuda a possibilidade de 'chamar uma manifestação', com a instalação de um telão na Avenida Paulista, para acompanhar os desdobramentos do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que irá ocorrer no próximo dia 24 de janeiro, em Porto Alegre.

+ Executivos da Odebrecht relatam ‘demanda’ de R$ 1 mi para filme sobre Lula

"Ainda são apenas idéias, mas o MBL pensa sim em chamar uma manifestação para o dia do julgamento. Colocar um telão para acompanhar o que acontece em Porto Alegre é uma opção. Tudo vai depender do engajamento das pessoas", disse o Youtuber Arthur do Val, do canal Mamãe Falei, designado pelo MBL para falar do tema com a imprensa.

O grupo também estuda a possibilidade de realizar alguma manifestação em Porto Alegre. "Vai depender muito do engajamento por lá, mas ao menos transmissões ao vivo pela internet de tudo o que estiver acontecendo nos arredores do tribunal nos iremos fazer", afirmou do Val.

Para do Val, o pedido do prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), para que o Exército e a Força Nacional atuem no dia do julgamento do ex-presidente foi "prudente": "Porto Alegre está em dificuldades com a questão da segurança pública. Nas últimas manifestações na cidade o bicho pegou. A mobilização pró-Lula deve ser grande também".

Para executivo da Odebrecht, ‘Lula, filho do Brasil’ era ‘um tipo de louvação maléfico’

Agora, esses esquerdistas que estão criticando o prefeito precisam entender que o Exército estará lá para dar segurança. Eles só devem agir se forem provocados. Se as manifestações forem pacíficas não tem problema nenhum", disse. Marchezan é ligado ao MBL e é crítico do petista nas redes sociais.

Palocci diz querer colaborar, mas silencia sobre ‘Lula, o filho do Brasil’

Lula foi condenado, em primeira instância, a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá. Se a condenação for confirmada, Lula pode ser impedido de disputar a eleição presidencial. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.