Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Maurício Corrêa diz agora ser favorável à reforma da Previdência

Em resposta às críticas que sofreu após ter condenado na semana passada, em seu discurso de posse, eventuais mudanças no regime previdenciário e remuneratório dos juízes, o novo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Maurício Corrêa, concedeu hoje entrevista à TV Justiça, emissora oficial do Judiciário, na qual garantiu que é favorável à reforma da Previdência.Integrante da Assembléia Constituinte que redigiu a Carta de 1988, Corrêa disse que a Constituição criou muitos direitos e garantias sociais. "Esquecemos de examinar como haveria recurso para cobrir aquilo", reconheceu. "Agora, nos surge essa oportunidade, realmente, de se encontrar um mecanismo capaz de conter isso. Evidentemente que uma reforma dessa natureza só pode ser bem recebida e aplaudida pela nação brasileira."Corrêa, porém, voltou a falar sobre as preocupações com a mudança na remuneração dos juízes decorrentes da eventual fixação de tetos salariais nos Estados. Atualmente, em alguns Estados, os desembargadores recebem mais do que os ministros do STF. Com a reforma, isso poderia acabar. Pela proposta, os desembargadores ganhariam 75% do que recebem os integrantes do Supremo."Quando nós falamos que é necessário que se repense a questão remuneratória e da Previdência, eu me referia à Justiça Estadual", justificou. Se for mantida a proposta, Corrêa afirmou que um juiz substituto federal poderá ganhar mais do que um desembargador estadual. O problema será discutido na próxima semana durante reunião entre os presidentes de tribunais e de entidades representativas de juízes.Corrêa afirmou que respeita o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que compareceu à sua posse e demonstrou constrangimento com o discurso crítico do novo presidente do STF. "Nós tivemos embates conjuntos aqui em Brasília, em frente ao Banco do Brasil. Não vi nenhuma descortesia com o presidente da República."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.