Matilde Ribeiro pega carona com Netinho

Ex-ministra de Igualdade Racial foi afastada do governo após uso indevido de cartão corporativo

Leandro Colon e Marcelo de Moraes / BRASÍLIA,

17 Julho 2010 | 18h19

Afastada do comando do Ministério da Promoção da Igualdade Racial no início de 2008 por conta do uso indevido do cartão corporativo do governo federal, Matilde Ribeiro pode retornar à política através de uma suplência do Senado.

 

Veja também

Lista de suplentes dos candidatos ao Senado

Pais, filhos e irmãos reforçam safra de suplentes em chapas para Senado

Análise: Sem tarimba, mas com missões cada vez mais estratégicas

 

Muito ligada ao PT paulista, ela ocupará a vaga de segunda suplente na chapa encabeçada pelo cantor Netinho de Paula (PC do B-SP), dentro da coligação montada pela campanha petista que terá o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) como candidato ao governo paulista, além de Marta Suplicy (PT-SP) como outra postulante ao Senado.

 

Gastos pessoais

 

Em janeiro de 2008, o Estado revelou irregularidades dentro do governo com a má utilização dos cartões corporativos. Muitos servidores usavam o cartão para bancar gastos pessoais ou desnecessários.

 

Matilde foi a campeã entre os ministros no total de gastos com o cartão oficial em 2007, totalizando cerca de R$ 170 mil em despesas. Entre esses gastos, mais de R$ 110 mil se referiam apenas a aluguéis de carros. Houve até uma compra no free shop no valor de R$ 461,16.

 

Depois da revelação do problema, o governo federal decidiu alterar as regras para utilização do cartão corporativo, aumentando suas restrições, inclusive para ministros de Estado.

Mais conteúdo sobre:
Eleições 2010Senadosuplentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.