Marun vai relatar CPI da JBS

Deputado do PMDB faz parte da tropa de choque do presidente Michel Temer

Thiago Faria e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2017 | 13h30

BRASÍLIA - O deputado federal Carlos Marun (PMBD-MS) foi escolhido nesta terça-feira, 12, como relator principal da CPI mista da JBS. A escolha ocorre após pressão do governo para que a relatoria da comissão ficasse com alguém alinhado ao Planalto. A decisão provocou uma primeira baixa no colegiado, do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), que pediu o afastamento da comissão.

Marun foi um dos mais fiéis aliados do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e faz parte da tropa de choque de Michel Temer. O deputado teve entre seus doadores de campanha a própria empresa alvo da CPI mista. Ele recebeu, por meio de repasses de outros candidatos, R$ 103 mil em 2014.

O presidente da comissão, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), ainda decidiu criar duas sub-relatorias na CPI para tentar acomodar os descontentes com a indicação. A primeira ficará com o deputado Delegado Francischini (SD-PR) e será responsável por investigar os contratos de empréstimos da empresa com o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) e tratará dos acordo de delação premiada e leniência firmados pela empresa.

Já a segunda sub-relatoria ficará a cargo do deputado Hugo Leal (PSB-RJ), que tratará de temas como as dívidas fiscais, previdenciárias e agropecuárias da empresa.

BAIXAS

Antes mesmo da confirmação, a escolha de Marun para relatar a comissão já era alvo de protestos. “Se for o Marun, não vamos aceitar de jeito nenhum. Vai começar uma CPI chapa branca?”, questionou o deputado João Gualberto (PSDB-BA), que ameaça deixar a comissão caso a escolha se confirme. “A CPI já começaria em pizza, seria um desrespeito sem tamanho. (Marun é) ligadíssimo a Eduardo Cunha. Não pode isso." 

O deputado Rocha (PSDB-AC), suplente de seu partido da CPI, reforçou a insatisfação. “Corre-se o risco daqueles que querem apuração séria entregarem (seus postos) para não participarem dessa farsa. Eu ficaria desconfortável, não pelo Marun em si, mas pelo que ele representa. Ele foi da tropa de choque do (Eduardo) Cunha, do Temer. Temos que buscar alguém que tem compromisso com algo maior: o esclarecimentos desses fatos todos”.

A CPI da JBS deve votar na tarde desta terça a convocação de nomes envolvidos na polêmica delação, como o empresário Joesley Batista e o ex-procurador Marcello Miller, e convite ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.