Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Marun diz que governo deve decidir novo líder no Senado nesta terça, 28

Romero Jucá deixou a liderança por discordar da forma como o governo está tratando a questão dos venezuelanos em Roraima

Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2018 | 20h13

BRASÍLIA - O ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência, Carlos Marun, afirmou nesta segunda, 27, que o presidente Michel Temer definirá um novo nome para assumir a liderança do governo no Senado até esta terça, 28. Na tarde de hoje, o senador Romero Jucá (MDB-RR) deixou a posição por discordar da forma como o governo federal está tratando a questão dos venezuelanos em Roraima. Ele disse que, como líder, não poderia cobrar e reclamar do governo nesta questão.

"O presidente tem algumas ideias de convite e até amanhã (terça) terá selecionado [um novo líder]", disse Marun. Mais cedo, Jucá afirmou que o cargo poderia ficar com o primeiro vice-líder, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) mas Marun afirmou que Temer não chegou a conversar com o pernambucano ainda.

O ministro classificou a decisão de Jucá como uma "atitude ética" e disse não acreditar que o senador tenha tido alguma intenção eleitoreira por trás. "Jucá está tomando uma atitude ética. A partir do momento em que ele discorda da nossa atitude em relação a essa questão, ele decide se afastar da liderança do governo e, a partir daí, ele tem a liberdade de tomar as atitudes que entender as mais devidas para a questão", disse.

Questionado sobre se o governo já esperava um rompimento de Jucá, Marun afirmou que, diante da negativa de fechar a fronteira do Brasil com a Venezuela em Roraima, principal pleito do senador junto ao governo federal, o Planalto sabia que essa "poderia ser uma das consequências".

Em nome do governo, Marun agradeceu Jucá por seu "dinamismo e inteligência durante o tempo em que exerceu a função". "Desejamos êxito agora, principalmente nessa empreitada eleitoral a qual ele se dedica a partir de agora com mais afinco", disse. Jucá é candidato à reeleição ao Senado por Roraima.

Marun também reafirmou a decisão do governo federal de não fechar a fronteira para conter o fluxo de entrada de venezuelanos no Estado. "O Brasil tem condição de resolver a crise sem romper com nossa tradição, com nossa história e com os acordos internacionais que celebramos", disse.

Ele ainda afirmou que a saída de Jucá da liderança do governo no Senado não prejudicará as negociações em curso para a construção do chamado "linhão" de Tucuruí, que permitirá a integração do Estado de Roraima ao sistema elétrico nacional. Hoje o Estado depende de energia venezuelana, cuja transmissão tem sofrido interrupções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.