Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Marun diz que Cunha está preocupado com possível adiamento de votação no Conselho de Ética

O peemedebista afirmou que, nesta fase pré-votação, já não caberia mais aditamento ou voto em separado; Cunha não teria dado sinais de que vai abdicar do posto

Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

14 de junho de 2016 | 11h44

O vice-líder do PMDB na Câmara, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), revelou nesta terça-feira, 14, que o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) manifestou preocupação com a possibilidade de aditamento ao parecer do processo por quebra de decoro parlamentar e, por consequência, o adiamento da votação no Conselho de Ética. Os aliados de Cunha estão otimistas de que derrotarão nesta terça o parecer que pede a cassação do mandato parlamentar.

Marun conversou com Cunha na noite desta segunda, 13, e o peemedebista afirmou que, nesta fase pré-votação, já não caberia mais aditamento ou voto em separado. "Se isso se consolidar será uma manobra espúria", disse Marun.

 

A "tropa de choque" de Cunha alega que o processo está pronto para ser votado e que não há provas para cassação. Mesmo com o comunicado do Banco Central sobre a multa de R$ 1 milhão aplicada a Cunha por omissão de recursos no exterior, Marun disse que a notificação não entrará no parecer final e defendeu que Cunha tenha a seu favor o benefício da dúvida. "Espero que não influencie os votos dos deputados hoje. Isso deve ser motivo de novo processo", declarou o vice-líder.

Sobre a possibilidade de renúncia ao cargo de presidente, Cunha não deu sinais de que estaria disposto a abdicar do posto. "Não avançamos. Esse assunto tem de ser tratado pessoalmente", disse Marun.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.