Martus faz apelo para base aprovar Orçamento

O ministro do Planejamento, Martus Tavares, fez um apelo para que a base governista aprove a proposta orçamentária de 2002, tanto na Comissão do Orçamento quanto em plenário, o mais rápido possível. Em conversa por telefone com a Agência Estado, Martus disse que não há espaço para o aumento do valor do salário mínimo como chegou a propor a oposição. "Já temos algumas dificuldade nesse momento que precisamos resolver", declarou ele. Martus citou entre as dificuldades do orçamento a falta de recursos para cobrir o reajuste de 17,5% da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física, a não aprovação pelo Congresso da contribuição dos inativo e a elevação adicional do salário mínimo de R$ 189 para R$ 200,00. Esses três pontos, segundo ele, representam uma despesa adicional de R$ 4,6 bilhões - R$ 1,8 bilhão com a tabela do IR, R$ 1,4 bilhão com a não aprovação da contribuição dos inativos, e R$ 1,4 bilhão com o aumento adicional do mínimo. "Portanto, não se trata de não querer negociar, nós já temos um problema, que é ajustar a fonte para esses recursos", disse o ministro. Martus disse ainda que vai continuar conversando com os parlamentares para que estejam em Brasília para votar o Orçamento esta semana. E se não for possível concluir tudo essa semana, que retornem semana que vem. Segundo o ministro é importante que tudo se resolva o mais rápido possível para que se possa mostrar aos investidores um descolamento dos efeitos negativos da Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.