Martone: governo paga mais juros por causa da CPMF

O economista Celso Martone afirmou hoje que há evidências de que o governo paga mais juros na sua dívida por causa da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Ele não mencionou, no entanto, de quanto efetivamente seria esse custo adicional, embutido nos papéis. Em sua apresentação na audiência pública na Comissão Especial da Câmara destinada a discutir prorrogação da CPMF até 2011, Martone afirmou que a carga tributária está subindo e deve chegar a 40% do Produto Interno Bruto (PIB) até o final do governo Lula, enquanto nos países emergentes e vizinhos do Brasil a média é de 25%. Na visão do economista, é o peso dos impostos que faz com que a economia brasileira cresça menos do que a média dos países emergentes. "Existe um ônus no setor privado que é o gigantismo do setor público. Isso explica a razão do atraso de 30 anos da economia brasileira", afirmou, lembrando que, nas últimas três décadas, o País cresceu metade da média dos países emergentes. Ele classificou de "asneiras" a avaliação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que a reforma tributária vai permitir resolver o problema do elevado peso dos tributos. Martone defendeu ainda a definição de um limite para a arrecadação, de modo que nos próximos seis ou sete anos, com reduções gradativas de impostos, a carga tributária caia em proporção do PIB. "Acredito que estamos em uma trajetória insustentável, tanto na despesa quanto na arrecadação, o que vai levar a uma crise fiscal de grandes proporções em alguns anos", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.