Marta vence prévia do PT na capital e Mercandante na região metropolitana

A ex-prefeita Marta Suplicy largou na frente na apuração da prévia realizada neste domingo para definir o candidato do PT ao governo paulista, vencendo a contagem de votos na capital com o dobro do líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante. O senador, no entanto, segundo informa o Blog do Noblat, venceu nas principais das cidades da Grande São Paulo (Guarulhos, região do ABC e Osasco) e vai ganhando com folga nos diretórios do interior do Estado. Na contagem da capital, Marta alcançou 16.591 votos, contra 8.390 de Mercadante, preferido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que preferiu descansar em Minas Gerais no fim de semana e não participou do pleito. A vantagem de Marta na capital não lhe garante a vaga. O PT não divulgou parciais da Grande São Paulo e do interior, onde se concentra a base eleitoral do senador. O resultado final será anunciado nesta segunda-feira.A votação transcorreu morna. Sem grande mobilização da militância e sob o impacto das novas denúncias do ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira, o quórum ficou abaixo da expectativa. Dos 197 mil filiados aptos a votar, a direção da legenda esperava o comparecimento de 80 mil. De acordo com o secretário de organização do PT, Luiz Turco, participaram da prévia de 60 mil a 70 mil petistas. "É uma boa presença, na mesma faixa da última eleição interna do PT, em setembro, quando votaram 71.454", afirmou. Até a semana passada, a equipe de Marta estimava em 10 mil votos a vantagem necessária na capital para tirar a diferença favorável a Mercadante no interior e na Grande São Paulo. O senador obteve o apoio de 56 dos 57 prefeitos petistas do Estado, além da grande maioria dos parlamentares e dirigentes.Seguindo à risca o pacto de unidade negociado com o presidente Lula, Marta e Mercadante prometeram apoio mútuo. Nenhum recurso contestando o resultado havia sido protocolado até o início da noite deste domingo.Os pré-candidatos fizeram questão de dissociar as acusações de Silvinho da prévia. Citado pelo ex-secretário-geral como um dos que mandavam no PT, Mercadante mudou o discurso. Depois de votar, negou prejuízo à sua campanha. No dia anterior, integrantes de sua equipe sugeriram que aliados da ex-prefeita estariam por trás da iniciativa de Pereira de romper o silêncio, um ano após sua desfiliação do PT. A suspeita causou mal-estar."Gente, que horror, só faltava", reagiu Marta. "Mas isso (a acusação do ex-secretário-geral) não vai afetar a candidatura do senador em nada. É tudo sem sentido." A ex-prefeita votou no diretório zonal de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, à tarde, algumas horas depois da passagem de Mercadante, filiado no mesmo local.Ao deixar o diretório, Marta reiterou o apoio prometido ao senador, caso seja derrotada. "Estou disposta a continuar a campanha e subir no palanque do Mercadante, do senador Eduardo Suplicy, do Lula. Vou suar a camisa e espero que ele (Mercadante) faça o mesmo."Antes de saber do resultado parcial, Mercadante disse estar confiante na vitória. E também prometeu o apoio à ex-prefeita caso seja ela a escolhida. "Se a Marta vencer, imediatamente terá meu apoio e o partido estará unido", declarou.Mercadante, que votou logo cedo no diretório de Pinheiros, afirmou que o mais importante nesse momento é preservar a união partidária e criar condições para a reeleição do presidente Lula. "A militância sabe que o que está em jogo é a reeleição do presidente Lula e que essa é uma possibilidade histórica de nos vencermos as eleições em São Paulo."Para os dois pré-candidatos do PT, o ex-prefeito José Serra - provável candidato do PSDB ao Palácio dos Bandeirantes e favorito nas pesquisas - terá dificuldades para explicar sua renúncia da Prefeitura antes do término do mandato. "O ex-prefeito terá muita dificuldade de explicar nessa eleição os compromissos que assumiu com a cidade e não cumpriu", afirmou o senador. Segundo a ex-prefeita, esse será um dos principais trunfos do PT na campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.