Marta vai tentar liquidar eleição já no 1º turno

Pesquisa Ibope, que apontou crescimento de 7 pontos, surpreendeu até os petistas mais otimistas

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

17 de agosto de 2008 | 00h00

O resultado da última pesquisa Ibope, encomendada pelo Estado e pela TV Globo, ajudou a alimentar dentro do PT as esperanças de uma vitória de Marta Suplicy já no primeiro turno, na briga pela Prefeitura de São Paulo. Oficialmente, o discurso da direção da campanha é de que a petista não subirá no salto alto, nem mudará sua estratégia por causa do desempenho positivo. Na prática, entretanto, a ordem na base é trabalhar para angariar o maior número possível de votos e tentar ao máximo evitar o segundo turno. Na pesquisa Ibope, a candidata do PT ostentou uma alta de 7 pontos e atingiu 41% das intenções de voto. Ela abriu 15 pontos de vantagem sobre o rival Geraldo Alckmin (PSDB), pondo fim à situação de empate técnico que caracterizava os últimos levantamentos. O tucano, por outro lado, amargou a perda de 5 pontos e ficou com 26%. Aliados de Marta dizem que levantamentos internos capitaneados pelo marqueteiro João Santana já apontavam desde o meio da semana passada uma tendência de alta significativa da petista e um recuo no desempenho do rival tucano. Mas a pesquisa Ibope, afirmam, deu uma "injeção de ânimo". Integrantes da equipe de Marta dizem ter consciência da dificuldade de vencer a disputa no primeiro turno, principalmente se considerado o fato de um resultado como este nunca ter sido obtido por um candidato à prefeitura paulistana. Mas a análise que circula entre os partidários de Marta é de que ela passará a ter chances reais de liquidar a disputa no início de outubro, desde que consiga chegar ao começo de setembro com 41% ou 42% das intenções de voto. Para que a eleição seja definida no primeiro turno, o candidato precisa somar 50% dos votos válidos mais um. PORTA EM PORTAA idéia de que Marta registraria um crescimento nas pesquisas nessa etapa da disputa já era esperada, na avaliação de seus aliados. Mas eles admitem que a intensidade da alta apontada pelo Ibope surpreendeu até os mais otimistas.Petistas dizem ter clara ao menos uma das explicações para o desempenho. Parte da performance é atribuída à estrutura de "visitadores" montada para promover de porta em porta a candidatura da petista. O PT contratou em média 25 pessoas em cada um de seus 35 diretórios zonais, exclusivamente para levar ao eleitorado mensagens com propostas da petista.A estratégia não é exclusividade da campanha de Marta, já que Alckmin também apostou em cabos eleitorais remunerados onde a rival é mais forte. A diferença, dizem aliados da ex-ministra, está na participação ativa dos candidatos a vereador na divulgação da campanha majoritária. Principalmente os petistas mais fortes que disputam uma vaga na Câmara Municipal e possuem sua própria estrutura de visitadores. A avaliação que circula entre membros da campanha é de que será difícil manter a folga nas pesquisas com o início da propaganda eleitoral gratuita, na terça-feira. Mas o importante, afirmam, é recuperar os votos ao longo de agosto.Ontem, no Brás, Marta evitou falar diretamente sobre a pesquisa. "Quero dizer apenas que temos que continuar trabalhando, levando propostas à população, esperando que ela acredite."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.