Marta usa ''vagabundo'' na despedida da TV

PT deixou caso polêmico para o final para evitar direito à resposta

Ana Paula Scinocca, O Estadao de S.Paulo

25 de outubro de 2008 | 00h00

Na despedida do horário eleitoral gratuito ontem à noite, Marta Suplicy (PT) e Gilberto Kassab (DEM) adotaram estilos opostos. Enquanto a petista recheou sua propaganda com aliados do PT, o prefeito ocupou sozinho seus dez minutos finais na campanha. Marta partiu para o tudo ou nada e exibiu na TV as imagens em que o prefeito expulsa, aos gritos de "vagabundo", um manifestante de uma unidade de saúde, em fevereiro do ano passado.Advertindo os eleitores sobre a importância de se ter uma cara só, a campanha do PT apresentou Kassab "e as duas faces da moeda". Dizia o locutor: "O prefeito quer ser simpaticão, beijoqueiro, mas..." e exibiu as cenas do destempero emocional do adversário. A decisão do PT de deixar para o último dia de campanha na TV a exibição do episódio polêmico foi tomada para evitar que o DEM conseguisse na Justiça Eleitoral direito de resposta.Fora a exploração do episódio, Marta trouxe seu principal cabo eleitoral, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de outros aliados, como deputados federais petistas e políticos como o governador da Bahia, Jaques Wagner. Os depoimentos de personalidades como o escritor Fernando Morais e o ator Sérgio Mamberti também foram levados ao ar pelo marqueteiro João Santana. "Marta tirou São Paulo da maior crise e fez um governo sem dinheiro", disse Lula. "Quero diminuir as desigualdades e reduzir os impostos e continuar o que comecei. Por isso, peço um voto de confiança", disse a ex-prefeita.O PT também não deixou de mostrar, a exemplo do que fizera nos últimos dois dias, uma série de "contradições" do adversário, além de explorar a ligação de Kassab com os ex-prefeitos Celso Pitta e Paulo Maluf. Kassab foi secretário de Planejamento na gestão de Pitta.Em seguida, foi a vez do prefeito e candidato à reeleição se despedir do eleitorado no último programa da TV. Kassab abriu o programa, assinado por Luiz Gonzalez, fazendo um agradecimento aos paulistanos e exibindo seus principais projetos à frente da prefeitura. O candidato do DEM assumiu o comando da maior cidade do País em 2006, depois de o tucano José Serra ter saído para disputar o governado de São Paulo.Em tom emotivo, o programa exibiu depoimentos de pessoas beneficiadas pelos programas Mãe Paulista, Remédio em Casa e pelo Plano de Urbanização de Favelas, além da Vila do Idoso. "A hora é da união. Quero fazer um governo acima dos partidos. Temos equipe, apoio político e as contas da cidade estão rigorosamente em dia", afirmou Kassab para, na seqüência, apresentar algumas de suas prioridades. Entre elas, listou a construção de três novos hospitais, respectivamente nas zonas norte, leste e sul, e do investimento em metrô, além de na melhoria da educação. "São Paulo precisa de emprego, desenvolvimento e educação. Por isso, peço o seu voto. Eu acredito em São Paulo", disse Kassab.Em ritmo de festa, também foi tocado um samba e o jingle Sorria, que marcou a campanha do prefeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.