Marta rouba a cena durante homenagem a Lula na Câmara de SP

Para a ex-prefeita, é preciso ir além do discurso de inovação na campanha eleitoral

Daiene Cardoso, da Agência Estado - matéria atualizada às 00h30 para correção de informação,

21 de maio de 2012 | 22h09

SÃO PAULO - No dia em que a Câmara dos Vereadores de São Paulo homenageou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o título de cidadão paulista e a Medalha Anchieta, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) roubou a cena diante de uma plateia de quase duas mil pessoas, entre elas, o pré-candidato do partido à prefeitura paulistana Fernando Haddad. A Câmara instalou um telão do lado de fora do edifício para que as 700 pessoas que não conseguiram entrar pudessem acompanhar a cerimônia.

Além de se sentar na Mesa Diretora da Câmara, Marta fez um discurso de candidata e aproveitou para defender os feitos de sua gestão (2001-2004). Para Marta, é preciso ir além do discurso de inovação na campanha eleitoral - marca que o PT pretende impor nesta campanha. "Não basta o novo nessa cidade. Temos de ter um programa novo", disse, em seu discurso.

Além de Lula, e de sua esposa, Marisa Letícia, compuseram a Mesa Diretora os vereadores petistas Alfredinho e José Américo, que propuseram a homenagem. Marta, segundo o presidente da Câmara, José Police Neto (PSD), foi escolhida pelos proponentes para representar os parlamentares. Ao mencionar a palavra "novo" em seu discurso, a senadora referiu-se às inserções do programa do PT em rádio e TV, que foram ao ar na semana passada, onde o partido pregou a renovação na política. "São Paulo tem de entender a mensagem, o que podemos fazer com essa inovação."

Ela também ressaltou que existem duas forças políticas em disputa nessa eleição: a que inclui e a "da exclusão social da cidade". "Estamos agora nesse embate e é um embate difícil", reconheceu. Durante a cerimônia, a ex-prefeita foi muito aplaudida pela plateia de militantes petistas. Marta só fez uma menção protocolar a Haddad, quando citou sua presença na cerimônia.

Discurso de Lula. Em um discurso de quase trinta minutos, o ex-presidente Lula agradeceu as homenagens e a aprovação pela Câmara dos Vereadores da concessão de um terreno no centro de São Paulo para a construção do Museu da Democracia que, segundo ele, servirá para mostrar a luta dos brasileiros durante a ditadura militar. "Queremos contar uma parte da história que não foi contada", afirmou.

Lula também fez menção à disputa pela prefeitura paulistana - cidade que, para ele, é uma metrópole de problemas. "São Paulo tem de ser pensada corretamente", disse. Durante seu discurso, Lula afirmou que Marta foi a melhor prefeita que a cidade já teve e que não se reelegeu por ser vítima do preconceito das elites. "É um preconceito secular", concluiu.

Ao final do discurso que era para ser de seis minutos, Lula agradeceu o apoio da militância e dos movimentos sociais recebido os seus oito anos de governo. Numa menção indireta ao maior escândalo de seu governo, o mensalão, o ex-presidente disse que foi vítima de uma tentativa de golpe que também aconteceu em outros momentos da história brasileira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.