Marta repreende vereador

A primeira reunião da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), com a bancada governista da Câmara Municipal foi marcada pela repreensão ao vereador Cláudio Fonseca (PC do B), que deixou o Palácio das Indústrias no início desta tarde extremamente irritado. Ele teria sido repreendido por ter votado contra o projeto de Marta - já aprovado - que concede aumento de até 40% para integrantes do primeiro escalão."Sou vereador de São Paulo e não da Marta", disse Fonseca na saída da reunião, que foi classificada por ele de "ruim, péssima e horrível".Ele afirmou que, durante o encontro, houve tentativa de repreensão. "Houve tentativa de repreensão por parte da prefeita e de um vereador menor, que nem conduzir a CPI da Educação sabe", disse, referindo-se ao petista Carlos Giannazi. Além de Fonseca, o vereador do PT Beto Custódio também votou contra o projeto. A também petista Lucila Gonçalves se absteve da votação. "Votei contra os 40% e votaria mil vezes contra", afirmou Fonseca.O vice-líder do governo, Eliseu Gabriel (PDT), disse que durante a reunião toda a bancada, assim como Marta, colocaram para Fonseca que sua postura não tem sido correta. "Ele está trabalhando contra a prefeita e tentou denegrir a imagem dos vereadores junto aos professores", disse.Fonseca é ligado ao professorado paulista e, segundo os vereadores governistas, tentou colocar a bancada de sustentação da prefeita contra a classe por conta do aumento proposto por Marta ser destinado apenas aos integrantes do primeiro escalão e não aos demais servidores municipais. "A prefeita disse a ele que seu procedimento não foi ético", afirmou Gabriel.O líder do governo, José Mentor (PT), classificou a reunião como "positiva", apesar do episódio envolvendo Fonseca, o que ele chamou de "incidente". "Foi uma reunião aberta para estreitar as relações com os vereadores e por isso discutimos vários assuntos", afirmou. "Ficamos duas horas reunidos e não falamos apenas sobre isso (a postura de Cláudio Fonseca)", afirmou. Segundo Mentor, durante o encontro foi discutida uma reforma administrativa preliminar com a oficialização das secretarias do Trabalho, Relações Internacionais e Comunicação e Informação Social.Um novo encontro entre Marta e a base governista foi marcado para o dia 21 de maio. Na ocasião, segundo Mentor, a discussão será sobre a implementação das subprefeituras e as principais iniciativas do Executivo para este ano. Marta deixou o Palácio das Indústrias logo depois de Fonseca. Saiu falando ao telefone celular e não respondeu aos jornalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.