Marta promete esperar reformas antes de falar em dívida

A prefeita de São Paulo Marta Suplicy (PT) se comprometeu hoje, após almoço com presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a esperar a realização das reformas fiscal e tributária para tentar renegociar a dívida do município com a União. O assunto foi discutido durante o almoço, no comitê de Lula, na Vila Mariana, Zona Sul da Capital. "A partir das reformas, vamos buscar uma solução melhor. Eu vou continuar lutando pela minha cidade e, até brinquei com o Lula, que São Paulo foi o município que o acolheu", afirmou. A prefeita disse ainda que apresentou a Lula as mesmas propostas já levadas por ela ao presidente Fernando Henrique Cardoso. Uma consiste em fazer com que parte dos 13% do Orçamento de São Paulo que são destinados ao pagamento da dívida retornem para a cidade, para serem investidos no combate às enchentes. "Pelo Orçamento de R$ 10 bilhões que temos hoje, precisaríamos de 26 anos para resolver o problema das enchentes. Então, se parte do que pagamos voltasse, poderíamos solucionar esse problema mais rapidamente", explicou. Outra possibilidade defendida por Marta é que a porcentagem paga mensalmente pelo município para a União não incida sobre o Orçamento total, excluindo-se os 31% aplicados na saúde e na educação. Segundo Marta, Lula recebeu bem suas propostas e concordou com a prefeita sobre a importância e os problemas do município de São Paulo. Marta não quis entrar em detalhes sobre o que fará, caso as reformas fiscal e tributária não levem a uma renegociação satisfatória da dívida. "O presidente (Lula) tem se comprometido a fazer essa reforma até meados do ano que vem. E nós vamos aguardar", comentou. A prefeita disse que também conversou sobre outros assuntos com Lula. "Somos amigos há muito tempo", lembrou. Questionada sobre se cederia quadros da prefeitura para formação do governo Lula, Marta respondeu: "Eu não tenho de estar disposta ou não (a ceder). Quando você tem um Presidente da República eleito, você não está disposta ou não-disposta. O presidente faz o convite que achar necessário e as pessoas aceitam se acharem que é importante". O presidente eleito apareceu ao lado de Marta apenas para registro de cinegrafistas e fotógrafos. Disse que não daria declarações porque está com a agenda apertada. Logo mais, Lula embarca para Brasília, onde à noite janta com o presidente Fernando Henrique Cardoso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.