Marta pede ajuda a deputados e senadores

Deputados e senadores de São Paulo reuniram-se nesta manhã com a prefeita Marta Suplicy (PT) e saíram do encontro com o discurso pronto: a prefeita precisa renegociar a dívida municipal com a União. Mais do que discutir a proposta orçamentária para 2002, apresentada ontem na Câmara Municipal, Marta tentou reunir forças para negociar com a equipe econômica do governo federal. Atualmente, 13% da receita do município está comprometida com a dívida, o que equivale a um pagamento de R$ 80 milhões mensais."Nós nos comprometemos a apoiar a iniciativa. Acima de qualquer posição político-partidária, somos paulistas e paulistanos e queremos o melhor para acidade", disse o deputado federal Luís Antônio Fleury Filho (PTB). "A prefeita mostrou que o orçamento está comprometido com o pagamento da dívida." Fleury afirmou que apóia a empreitada da prefeita, desde que isso não fira os princípios da Lei de Responsabilidade Fiscal.Ontem, na Câmara Municipal, Marta afirmou que tem duas alternativas para as conversações. A primeira seria desvincular o índice pago atualmente ao governo federal das verbas "carimbadas" para a educação (30%) e para a saúde (15%) e, com isso, ficar com um índice total de 7%. Outra proposta é pagar 10% da dívida e comprometer os outros 3% com investimentos em projetos sociais.Nenhuma das propostas, no entanto, deve sensibilizar o governo federal. O secretário do Tesouro Nacional, Fábio Barbosa, descartou qualquer possibilidade de renegociação da dívida. Ele afirmou que o contrato, fechado pelo ex-prefeito Celso Pitta (PTN), foi feito em condições "extremamente favoráveis".DiálogoPara o deputado federal petista Ricardo Berzoini, a melhor saída para a renegociação seria propor a desvinculação dos recursos comprometidos. "Desvincular as áreas comprometidas daria um alívio para a situação financeira do município. Com o orçamento que a prefeita tem hoje é impossível melhorar significativamente a qualidade de vida dos paulistanos", afirmou. O senador Eduardo Suplicy (PT), por outro lado, defende o compromisso de investir 3% em projetos sociais. Mesmo sem uma definição nesse sentido, ele acredita que a reunião foi importante para fortalecer o diálogo com as bancadas federais e mostrar, de forma realista, como estão as finanças de São Paulo. "É importante esse diálogo e esse apoio dos deputados e senadores no diálogo com o governo federal", disse. "Acredito que a prefeita terá a boa vontade de todos." De acordo com o senador, Marta marcou uma nova reunião com a bancada paulista de deputados para o início de outubro, em Brasília, pouco antes de uma provável audiência com o presidente Fernando Henrique Cardoso para discutir a dívida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.