Marta "passa borracha" no bate-boca com Alckmin

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), afirmou hoje que "passou uma borracha" no episódio em ela e o governador Geraldo Alckmin (PSDB) discutiram sobre a falta de policiamento na região central da cidade. O mal-estar ocorreu durante coletiva de imprensa do Fórum Metropolitano de Segurança, na Fiesp, no final do mês passado. "Não era para ser um bate-boca. O que eu tinha falado era uma dica para ele fazer um gol. Mas ele não percebeu", disse Marta. A prefeita acrescentou que deu oportunidade para Alckmin dizer que o policiamento no Centro estava prestes a ser aumentado.Hoje de manhã, o governador anunciou o aumento do efetivo no centro, que contará a partir de agora com mais 300 policiais militares."Espírito de intriga permanente"Por volta das 13 horas, ao saber das declarações de Marta, o governador apoiou a decisão da prefeita de "passar uma borracha" no episódio. Segundo ele, "há um espírito de intriga permanente" entre o governo paulista e a Prefeitura: "Neste mundo, a política gira em torno dessas fofocas. Esse é um dado da realidade", afirmou Alckmin. O governador disse que, quando fez o anúncio do aumento do efetivo esta manhã, a pergunta (dos repórteres) não era sobre segurança e sim se o reforço do policiamento no Centro era para atender ao pedido da Prefeitura. Ele, no entanto, disse que vê essas questões com tranqüilidade. "Não sei se a prefeita anda muito nervosa. Eu ando muito zen", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.