Marta nega que deixará de pagar dívida

A prefeita Marta Suplicy disse hoje que espera poder conversar com o novo governo federal sobre a dívida da Prefeitura, propondo os mesmos itens apresentados ao atual governo. A proposta seria então devolver aos cofres públicos o valor pago pela Prefeitura, para que se utilize este valor em programas de combate à enchente. A outra providência na proposta de renegociação foi retirar do cálculo da dívida as receitas das Secretarias da Saúde e da Educação. "Desde que assumi e também durante a campanha eu afirmei que São Paulo não teria condições de pagar o seu compromisso, referente a esta parcela. São Paulo tem honrado seus compromissos e podemos conversar com o novo governo, no tempo certo. Não estamos deixando de pagar, apenas estamos aumentando a incidência de juros de 6% para 9% ao ano", explicou."Esta é uma posição descabida", explicou ela ao se referir ao aumento dos juros de 6% para 9%. A prefeita explicou ainda que São Paulo paga R$ 90 milhões todo o mes, o que equivale ao teto de 13% da receita da Prefeitura. Marta também lembrou que esta medida vai ter reflexo no futuro. "O prolongamento desta dívida ficará para os nossos filhos. E eu não concordo". A prefeita descartou a venda de bens da Prefeitura mas, sobre o Aeroporto do Campo de Marte, ela lembrou que o bem está em disputa entre a Aeronautica e o município. "Seria bom que chegassemos a um acordo e esta seria uma possibilidade interessante", respondeu ela ao ser questionada se venderia o aeroporto para pagar a dívida. "Seria bom se valesse a dívida toda", brincou ela quando perguntaram sobre o valor do Campo de Marte. Marta acha também que o fato de não pagar, não vai prejudicar o governo e que reiterou que vai negociar com Lula no tempo certo. "São Paulo tem cumprido com o pagamento das parcelas da dívida", concluiu a prefeita.Dirceu e Palocci evitam comentar decisãoO presidente do PT, José Dirceu, e o coordenador da equipe de transição de governo, Antonio Pallocci, evitaram comentar a decisão da prefeita de São Paulo de não pagar a parcela da dívida junto à União de R$ 3,049 bilhões que vence este mês. José Dirceu e Pallocci deixaram o Hotel Bonaparte pela saída nos fundos do prédio e ficaram irritados ao encontrar jornalistas no local. Dirceu avisou que só falará com a imprensa em horários previamente marcados. Quanto à decisão da prefeitura de São Paulo, José Dirceu disse que só fará comentários sofre o assunto à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.