Marta: "esquerda se esqueceu da segurança"

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), fez hoje em seu discurso, durante o seminário O Município e a Segurança Pública, um "mea culpa", dizendo que as questões de segurança pública sempre estiveram presentes nas agendas políticas dos adversários e não da esquerda. Marta também criticou a política dos governos estaduais e federais no que se refere ao tema. "Precisamos dizer aos nossos governadores que política de segurança pública não pode se restringir a entrega de viaturas", afirmou Marta. A prefeita também criticou o plano Nacional de Segurança Pública do governo de Fernando Henrique Cardoso. "O plano é limitadésimo" disse ela.Marta voltou a defender a necessidade de mudança nas polícias. Atualmente, segundo ela, a polícia do País ainda trabalha com conceito de repressão. "As polícias promovem ainda hoje o controle social dos excluídos", disse a prefeita. Marta defendeu a necessidade de se criar um amplo projeto de segurança pública no País e que combata, sobretudo, o crime organizado. "O modelo de segurança pública está esgotado. A crise no setor da segurança é de estrutura", observou.A prefeita de São Paulo reiterou que pretende dar na cidade uma nova diretriz para a Guarda Civil Metropolitana (CGM). Entre as reformulações que a Prefeitura paulista pretende realizar junto à coorporação, está a elaboração de um novo plano de carreira para que os guardas sejam valorizados e possam atuar de maneira mais efetiva. Marta afirmou que pretende formar uma CGM eficiente sobretudo no policiamento escolar.

Agencia Estado,

30 de março de 2001 | 12h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.