Marta e Serra batem boca e dominam debate na Record

Uma forte troca de acusações entre os candidatos José Serra (PSDB) e a prefeita Marta Suplicy (PT), a respeito da questão da saúde, esquentou o clima da campanha eleitoral, no debate travado nesta segunda-feira entre os candidatos à Prefeitura de São Paulo, na TV Record. Como previsto e até antecipado pelo horário eleitoral gratuito, a polarização entre os dois se acentuou. Serra voltou a denunciar que os CEUs da Saúde são peças de marketing e a acusou de não ter pólítica para a educação ? tanto que já trocou quatro secretários. A prefeita reagiu lembrando que investiu 32% do orçamento em educação.Já na primeira pergunta da noite o candidato João Manuel (PSDC) mirou em Serra, perguntando sobre denúncias que envolveriam o ex-ministro da Saúde com a máfia do sangue. ?Não houve nenhuma máfia do sangue no meu ministério?, respondeu Serra, antes de devolver, lembrando que o candidato do PSDC só compareceu ao debate por uma medida liminar, depois de ser impedido pelo próprio partido de comparecer ao debate. ?O senhor não tem qualificação moral para querer desqualificar os outros?, afirmou o tucano.No segundo bloco, uma troca de acusações entre os dois a respeito de políticas para a saúde esquentou o clima. Marta denunciou o Estado por ter construído escolas ?de latinha? e Serra devolveu: ?Interessante como a prefeita elogia (o governador Alckmin) quando lhe interessa, e depois ataca seu governo, no debate.? Serra denunciou a prefeita, em pergunta dirigida a Ciro Moura, por cobrar taxa de luz em 3 mil ruas onde sequer há postes de luz. ?Falar em taxas, hoje, dá até arrepios. O povo já não aguenta mais?, concordou Ciro. ?O mínimo que se pode fazer é revogar essa taxa?, complementou depois o candidato tucano.Em outra ocasião, o candidato Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (PDT), cobrou uma promessa de campanha da candidata petista. ?A senhora tinha o compromisso de dar vale-transporte para os desempregados e não cumpriu. Vai cumprir agora??. Marta justificou o não cumprimento pelo aumento do número de desmpregados. ?Quando falamos isso eram 400 mil desempregados, hoje são mais de 1 milhão?, explicou a prefeita, acrescentando depois que o governo federal já estava enfrentando o problema. ?O importante é notar benefícios que a cidade está dando aos mais pobres, como o vale-tranporte?, anotou Marta. Quase sem voz, o candidato do PP, Paulo Maluf, tentou atirar em Marta e Serra ao mesmo tempo. Numa pergunta a Luiza Erundina (PSB), lembrou a responsabilidade da política econômica do governo FHC e da administração Marta no empobrecimento da população da cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.