Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Marta diz que vai para a campanha com 'o melhor do PT e do PSDB'

Após 33 anos de militância no PT, a senadora deixou o partido no ano passado; o candidato a vice em sua chapa, o vereador Andrea Matarazzo, por sua vez, deixou o PSDB este ano e migrou para o PSD

Bruno Ribeiro, Pedro Venceslau e Tonia Machado, O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2016 | 16h38

SÃO PAULO - A senadora Marta Suplicy, candidata do PMDB à Prefeitura de São Paulo, disse nesta segunda-feira, 8, em entrevista à Rádio e TV Estadão, que entrará nesta eleição com "o melhor do PT e do PSDB". Após 33 anos de militância no PT, a senadora deixou o partido no ano passado. O candidato a vice em sua chapa, o vereador Andrea Matarazzo, por sua vez, deixou o PSDB este ano e migrou para o PSD, sigla criada pelo ex-prefeito Gilberto Kassab.      

"(Não vou começar) do zero. Eu venho com o melhor do PT e ele com o melhor do PSDB", afirmou. Ela negou, porém, que pretenda levar petistas para uma eventual gestão. "A princípio eu não levaria ninguém. Somos adversários."

A senadora minimizou o passado beligerante que teve com os tucanos, especialmente no período em que foi prefeita, entre 2001 e 2004, e disse que não guarda mágoas. "Fui crítica às críticas que o (José) Serra fazia à minha gestão. Acho que ele politizou demais. Ele era o vencedor. Não precisava. Fiquei chateada, mas não tenho rancor. Não olho para o retrovisor."

Atual ministro das Relações Exteriores, José Serra, que é do PSDB, foi um dos responsáveis pela aproximação entre Marta e Matarazzo, que é seu amigo e aliado. 

Agora aliada de Gilberto Kassab, a senadora disse que levou um "choque gigantesco" na campanha de 2008 quando soube que sua propaganda questionou se o então prefeito "era casado e tinha filhos".

"Soube no dia seguinte ao entrar no debate da Band. Foi um choque gigantesco. Senti como um terror para a minha biografia, para alguém que lutou pelos direitos LGBT a vida inteira. Foi uma infelicidade."

Sobre a estratégia para a campanha, a senadora  afirmou que pretende lembrar as gestões de Serra e Kassab, além da dela.

"São três ex-prefeitos que estão juntos. Com acertos e erros, isso quer dizer bastante. Há um acúmulo de experiências. Andrea tem razão quando fala em continuidade. Nós fizemos o Bilhete Único na minha gestão e eles continuaram com o metrô. Houve uma continuidade no grande legado que foi a minha gestão."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.