Marta diz que quer parceria com Serra, se eleita

A candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, disse, nas considerações finais do debate desta noite Rede Bandeirantes, que vai procurar uma parceria com o governador José Serra (PSDB), se eleita. "Quero falar com o governador José Serra, que está em casa, quero ser a sua parceria, quero governar essa cidade para que possamos dar vida melhor aos paulistanos. Sem união, não tem jeito", disse. Já o candidato do DEM, prefeito Gilberto Kassab, finalizou a participação ao dizer que é o "maior parceiro" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Bolsa Família. "Sou prefeito de São Paulo há dois anos e mostrei que, com coragem e transparência, é possível melhorar qualidade de vida. Implantei o Cidade Limpa. Entreguei dois hospitais, 106 ações na habitação. Sou o maior parceiro do presidente Lula no Bolsa Família, e do José Serra. Vamos consolidar as ações", completou. Um pouco antes, Marta disse que, em encontro, o presidente disse a ela que deseja sua vitória porque acredita na "melhora" da cidade nas mãos dela. "Ele disse: ''Marta, quero que você ganhe porque, com a situação econômica que o País está, vai dar para fazer muita coisa''", contou Marta. Já o candidato e ex-governador tucano Geraldo Alckmin afirmou que quer trabalhar, servir ao povo. "Minha política é a missão." Alckmin lembrou que o PSDB completa 20 anos e que o partido resgata sonhos do ex-governador Mário Covas e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso. "O sofrimento das pessoas eu enxergo, as pessoas não são invisíveis para mim", afirmou. "Vamos trabalhar firme para diminuir a desigualdade."Ele disse que investirá, se ganhar a eleição, em educação, saúde e transporte. "Um governo mais perto das pessoas." Já Ciro Moura (PTC) disse que é hora de mudanças na cidade. "Parece que tudo está resolvido, mas eu penso diferente: é hora de mudar. Tenho compromisso de trazer a São Paulo que eu vivi."''Revezamento''Ivan Valente (PSOL) disse que há um revezamento no poder e que é "cansativo". "PSOL quer implantar projeto de inverter prioridades na nossa cidade. Governar é fazer escolhas. Quero dizer que o pessoal tem proposta alternativa de esquerda para São Paulo, e o povo vai ter vez e voz." Soninha Francine (PPS) afirmou que é necessário pensar "o como governar". Ela afirmou que é preciso investir em educação, saúde e trânsito, mas é também transformar a política. "Ter pessoas competentes nos cargos." "Naturalmente, eu não tenho experiência, mas eu não estou sozinha. E tem suas vantagens não ter experiência."Renato Reichmann (PMN) disse São Paulo é uma "cidade apaixonante", multicultural, mas com muitas desigualdades. "É necessário redistribuir renda", defendeu. Paulo Maluf (PP), ex-prefeito, disse que tem "orgulho" da gestão quando prefeito."Muitos dos que estão aqui tiveram a sua oportunidade e a cidade só piorou. E, se Deus permitir, serei de novo o melhor prefeito. São Paulo tem pressa. Quero ter pressa. Maiores prefeitos dessa cidade foram guerrilheiros. O eleitor tem de decidir quem será um prefeito melhor: uma psicóloga, um anestesista ou um engenheiro?", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.