Marta cumpre promessa de fazer campanha sórdida, diz Serra

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, disse hoje que o ataque pessoal que sofreu hoje da candidata à reeleição, Marta Suplicy (PT), no qual ela disse que o tucano é "nefasto", é mais um ato da "campanha sórdida" que a prefeita anunciou antes do início da disputa. "Foi a própria prefeita quem disse que haveria campanha sórdida e é o que eles estão fazendo", disse o candidato, durante campanha no bairro de Campo Grande, zona Sul. "Particularmente tenho sido objeto de todo o tipo de baixaria", complementou.Segundo o candidato tucano, ontem foi colocado no ar um site na internet o difamando, além de serem espalhados pela cidade outdoors e folhetos, classificados por ele como "apócrifos", acusando-o de não ter honrado uma dívida da campanha presidencial de 2002 com um deficiente físico.Ele insinuou que a distribuição de tais folhetos, assim como outras ações de campanha contra ele, partem do PT, que estaria ainda, na visão de Serra, utilizando a estrutura da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). "O PT usa a máquina pública para distribuir folhetos. O juiz (eleitoral) mandou recolher e eles continuam distribuindo, entupindo a cidade de faixas e folhetos pagos pela Prefeitura com propaganda eleitoral", acusou.Para o candidato, tanto Marta, quanto Maluf promovem "baixaria" na campanha, algo que, ele garante, sua campanha não faz. "Em nenhum momento, até agora, fomos condenados pela Justiça Eleitoral em matéria daquilo que falamos e pregamos, e os outros (candidatos) têm sido, tanto Marta, como Maluf", insistiu.Serra também procurou esclarecer a polêmica em torno da manifestação feita em seu programa eleitoral de que, quando foi secretário de Planejamento do governo Franco Montoro, ele conseguiu recursos para a Estação Tatuapé do Metrô. Segundo ele, os recursos, destinaram-se à reforma da estação e não à conclusão da obra. Esta reforma, de acordo com o candidato, garantiu o prolongamento da via para as Estações Penha e Carrão.Gafe e provocaçãoNo ato realizado na Avenida Nossa Senhora do Sabará, em Campo Grande, um carro de som do tucano que reproduzia músicas da campanha em alto volume ficou estacionado por mais de meia hora em frente ao Hospital e Maternidade Vidas. A direção do hospital pediu para os organizadores do evento a redução do volume do som, sendo imediatamente atendida. Já no ato realizado em seguida, na Avenida Yervant Kissajikian, os carros de som e militantes de Serra encontraram-se com grupos de petistas com bandeiras e carros de som da candidata Marta Suplicy.Durante a caminhada do tucano, os militantes petistas seguiram o grupo tucano gritando palavras de ordem contra Serra e em prol da prefeita, provocando discussões e bate-boca na região, mas, em nenhum momento, houve agressões físicas de ambos os lados, apesar do clima tenso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.