Marta culpa adversários por dívida do município

Durante sua rápida aparição em plenária da candidata a vereadora Tita Dias, realizada no final da tarde deste sábado em São Paulo, a prefeita da capital paulista e candidata à reeleição, Marta Suplicy (PT), voltou a fazer críticas aos seus adversários. "O Maluf endividou a cidade e o Pitta ajudou, emitindo títulos, dizendo que ia pagar precatórios e não pagou nenhum; e o PSDB ajudou pondo aqueles juros estratosféricos", disse. Marta disse que, desde que assumiu a prefeitura, já abateu em torno de R$ 3 bilhões da dívida. Segundo a prefeita, os cerca de R$ 100 milhões que paga mensalmente, referentes ao endividamento da cidade, dariam para construir dois hospitais e cinco Centros Educacionais Unificados (CEUs) por mês. "Mesmo com o endividamento alto, conseguimos investir e fazer coisas novas na cidade, e isso nós vamos continuar", discursou para a platéia que assistiu aos shows organizados pela candidata à Câmara dos Vereadores de São Paulo. Além de criticar Paulo Maluf, ex-prefeito e candidato à prefeitura pelo PP, Marta também fez críticas à candidata do PSB, Luiza Erundina, e ao candidato do PSDB, José Serra. "Eu já ouvi na rádio duas vezes que a Erundina e o Serra falaram que não vão mais fazer CEUS na cidade. Mas nós vamos", enfatizou. Marta garantiu que, se for reeleita, construirá 24 novos CEUs, além dos 21 que já foram construídos durante a sua gestão. A prefeita disse ainda que, apesar das dificuldades enfrentadas durante os seus três anos e meio de gestão, adorou administrar São Paulo. "Sabe porque eu adorei? Porque dá para fazer. Se você não rouba e tem uma prioridade onde pôr o dinheiro, dá para fazer uma revolução na educação, uma revolução no transporte, como está aí o bilhete único, que não me deixa mentir", ressaltou. Marta destacou que falta agora fazer uma revolução na saúde, tema que será uma das suas prioridades, caso seja reeleita. Apesar de não querer falar com os jornalistas, a prefeita aceitou responder a uma pergunta de um repórter da Rede Globo sobre os cerca de 1,5 mil buracos que aparecem na cidade todos os dias. A resposta, no entanto, só aconteceu depois de um pedido do seu marido, Luís Favre. "Só vou falar com a Rede Globo", disse. Depois de ler a resposta preparada por seus assessores, Marta explicou que o ideal é que as ruas da cidade sejam recapeadas. "No começo do meu mandato foi muito difícil, porque ainda não tinha os recursos, não estava organizada para fazer isso, mas agora estou organizada. Por isso a intenção é recapear", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.