Marta ataca Alckmin para não falar sobre ameaça de cassação

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), candidata à reeleição, evitou comentar diretamente a decisão do PSDB de entrar com representação junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) pedindo a impugnação da candidatura da petista por causa da participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em inauguração de obra municipal. No último sábado, Lula inaugurou o primeiro trecho do prolongamento da Avenida Radial Leste, na zona leste, e pediu votos para Marta.Ao ser informada que a coordenação da campanha do candidato do PSDB , José Serra, havia anunciado a intenção de ingressar com representação no TRE-SP, Marta voltou a repetir afirmação feita na manhã desta segunda-feira: "Prefiro a cara limpa e o coração aberto do presidente Lula à forma como o PSDB age, aumentando de quatro para nove o número de inserções publicitárias (na tevê); é uma tal dimensão que a gente não sabe reconhecer o que é propaganda eleitoral e o que é propagando do governo do Estado. Eu prefiro o presidente Lula."A prefeita esclareceu que não sabia o conteúdo do discurso que o presidente Lula iria fazer durante a inauguração na zona leste, que é o maior colégio eleito com 2.703.862 eleitores. "Eu não sabia o que ele ia falar, mas agradeço suas palavras", disse Marta, acrescentando que ela e o presidente "têm sintonia do que fazer para as pessoas mais carentes da cidade".Ao ser novamente perguntada pelos repórteres à respeito da decisão do PSDB, Marta limitou-se a dizer: "Não muda nada." A prefeita, que cumpriu agenda de candidata, visita ainda nesta tarde, como prefeita, as obras da Faculdade Paulistana de Saúde Pública, na zona leste. A vistoria será feita em companhia do ministro da Educação, Tarso Genro, que está na capital paulista desde a manhã desta segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.