Marta apóia plebiscitos sem autorização do Legislativo

A ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy disse nesta sexta-feira que não acha inadequada a realização de plebiscitos sem autorização do Legislativo, como prevê um documento assinado por um grupo de parlamentares e dirigentes petistas de São Paulo.Às vésperas da reunião do Diretório Nacional, que começará no sábado, em Salvador, o documento atribuído ao "grupo de Marta" é bastante comentado nos bastidores do encontro, pois foi interpretado por adversários como uma tentativa para tornar viável um terceiro mandato para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva."Em nenhum momento se pensou em uma coisa dessas", disse Marta. "O que se pensou foi na resolução de grandes questões, difíceis de serem resolvidas e que precisam ter respaldo mais amplo, como foi o caso do referendo sobre as armas".A ex-prefeita participou nesta sexta-feira de um seminário sobre o desafio da esquerda latino-americana e caribenha. Para ela, a tentativa de associar a proposta com um terceiro mandato de Lula "foi uma ilação feita pela imprensa, um factóide".Marta disse que "não existe um grupo da Marta", para falar em seu nome dentro do partido. "Quando eu quero falar, eu falo", afirmou. Ela lembrou que outros países, como os Estados Unidos, têm há muito tempo esse mecanismo de consulta. "Plebiscito existe em quase todos os países importantes", destacou.Cotada para ocupar o Ministério da Educação no segundo mandato de Lula, a ex-prefeita disse também que não foi sequer sondada para nenhum cargo. "Há muita especulação, mas eu não fui convidada", declarou."Não tive conversa com o presidente Lula sobre o assunto e ele montará a sua equipe na hora em que achar conveniente", concluiu Marta, que participa da comemoração dos 27 anos do PT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.