Marta amplia vantagem e vai a 38%

Datafolha reafirma, no início da campanha, polarização entre ex-prefeita e o rival direto, Geraldo Alckmin

Gabriel Manzano Filho, O Estadao de S.Paulo

05 de julho de 2008 | 00h00

Na largada de uma campanha eleitoral que vai durar 92 dias, a ex-ministra Marta Suplicy (PT) começa liderando a disputa com 38% de intenções de votos, sete pontos à frente de Geraldo Alckmin (PSDB), que tem 31%, segundo pesquisa do Instituto Datafolha divulgada ontem. O prefeito Gilberto Kassab (DEM) vem 18 pontos atrás do tucano, com 13%, e Paulo Maluf (PP) é o quarto, com 8%. O Datafolha ouviu 1.085 pessoas nos dias 3 e 4, e a margem de erro é de 3 pontos percentuais - para mais ou para menos. A duas semanas do início da campanha por rádio e televisão, os números mantêm, e intensificam, a polarização entre Marta e Alckmin já verificada nas pesquisas estimuladas do mesmo instituto em março e maio. Longe deles, atrás do ex-prefeito Paulo Maluf , vem a candidata do PPS, Soninha Francine, com 1%. Outros 8% dos consultados responderam em branco, nulo ou não sabem. Mencionados na lista estimulada, ficaram no zero os candidatos Levi Fidelix (PRTB), Ciro Moura (PTC), Ivan Valente (PSOL) e Renato Reichman (PMN).A comparação do novo resultado com os anteriores não é possível, visto que desta vez as alianças partidárias já estão definidas e e o fato mais expressivo, no caso, foi a adesão de três partidos de esquerda - PSB, PDT e PC do B - à candidatura petista. O avanço da ex-prefeita reflete, ao que tudo indica, a confirmação dessa aliança e a saída de cena dos eventuais candidatos daqueles partidos. Nas pesquisas anteriores, embora liderando a corrida, Marta estava tecnicamente empatada com seu rival tucano Geraldo Alckmin. Na pesquisa de 15 de maio, ela tinha 30%, Alckmin 29% e Kassab 15%. Esses números constituíam praticamente uma repetição da anterior, do final de março, quando os três principais nomes da disputa tiveram, respectivamente, 29%, 28% e 13%.Na pesquisa com respostas espontâneas, as proporções praticamente não se alteram. O nome da candidata petista continua na frente com 19% de preferências, oito pontos à frente do candidato tucano, que tem 11%, e onze pontos de vantagem sobre o prefeito, que tem 8%.SEGUNDO TURNOEsse avanço de sete pontos da ex-prefeita, em 50 dias, alterou também o cenário de um eventual segundo turno. Segundo o Datafolha, caiu de 10 para 5 pontos a vantagem de Alckmin num embate direto com Marta - que agora é de 50% a 45% (os números de maio davam vitória ao tucano por 52% a 42%). Contra Kassab, Marta vence hoje por 55% a 36% e Alckmin também derrota o prefeito por 59% a 25%. Nos cálculos do Datafolha, nesse segundo turno Alckmin receberia 78% dos votos dados a Kassab, ficando 19% para Marta. REJEIÇÃOOutro dado importante da pesquisa, o índice de rejeição dos candidatos, continua favorável a Alckmin, mas em menor escala. Disseram na pesquisa que não votam em Marta de forma nenhuma 30% dos consultados - o mesmo índice do prefeito Kassab. Alckmin tem rejeição de apenas 18% dos eleitores. Disparado, nessa tabela, continua o candidato do PP, Paulo Maluf, com 55% de eleitores afirmando que não votariam nele. As tabelas comparativas continuam apontando como grande celeiro de votos da petista os eleitores que ganham até dois salários mínimos. Nessa faixa, ela alcança 44% das intenções - mais que a soma dos 27% dados a Alckmin com os 11% de Kassab. Em compensação, o tucano vence com bons índices nas faixas de dois a cinco mínimos (34%) e de cinco a dez mínimos (33%). Na distribuição geográfica dos votos, o quadro não é diferente de sondagens anteriores. O tucano é forte nas zonas Centro e Norte, onde tem vantagens acima de 10 pontos sobre a petista. Esta, por sua vez, lidera com iguais vantagens nas zonas Leste, Oeste e Sul. No momento em que o trânsito aparece como um dos grandes problemas da cidade, a pesquisa mostra um dado curioso: entre eleitores que usam carro, Marta e Alckmin aparecem empatados com 33% das intenções, contra 19% de Kassab.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.