Marta afirma que não tem sentido decisão da Justiça Eleitoral

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), candidata à reeleição, reclamou hoje da decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que concedeu liminar, em representação oferecida pelo Ministério Público Eleitoral, para que a Prefeitura "se abstenha" de levar alunos da rede municipal de ensino para visitas às unidades dos Centros Educacionais Unificados (CEUs). Marta considerou que a decisão "não tem sentido". "Você agora vai proibir criança de assistir teatro no CEU porque é época de eleição. Então a Prefeitura tem de parar dois meses", reclamou. "As coisas estão um pouco estranhas por parte do MP." A prefeita disse que a Prefeitura deverá recorrer da decisão.Marta cumpriu, no horário de almoço, agenda de candidata e visitou a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) onde almoçou com o reitor da instituição de ensino, Ulysses Fagundes Neto. Segundo informou a assessoria de imprensa da Unifesp, a decisão de visitar o local partiu da própria Marta.Após almoçar com o reitor, Marta deveria participar, no local, de um debate com a comunidade acadêmica, informou sua assessoria de imprensa. Em greve desde o início do mês passado, funcionários e docentes da Unifesp queriam aproveitar a presença da prefeita para reclamar da política adotada pelo governo federal. Eles preparavam um protesto contra o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Na saída do almoço, Marta disse desconhecer a realização do debate. O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) e o secretário municipal da Saúde, Gonzalo Vecina, acompanharam o encontro de Marta com a direção da universidade. Segundo o senador, a instituição mostrou disposição em colaborar, em caso de reeleição de Marta, com o projeto dos CEUs Saúde.Marta classificou a conversa com a equipe da Unifesp como positiva. "Muita coisa a gente pode fazer para dar força a essa potência que é a Faculdade Paulista de Medicina que luta sempre com a dificuldades de verbas para ampliação. É uma referência nacional e internacional na pós-graduação", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.