Marta admite negociar eleição, mas nega responsabilidade

Ministra também comenta possibilidade de a rejeição das contas de sua campanha em 2004 impedir candidatura

Clarissa Oliveira, de O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2008 | 17h34

A ministra do Turismo, Marta Suplicy, admitiu nesta segunda-feira, 14, que seus aliados já articulam sua candidatura à Prefeitura de São Paulo, mas buscou eximir-se da responsabilidade pelas conversas. Questionada se ainda nega a candidatura mesmo em meio a tantas reuniões protagonizadas por seu grupo político para tratar das eleições, a ex-prefeita desviou: "Não sei o que eles estão fazendo. Como eu não sou candidata, esse trabalho está sendo feito de acordo com a vontade de cada um", disse Marta, que participou, em São Paulo, da divulgação de uma pesquisa sobre o impacto de eventos internacionais no turismo.   Perguntada novamente se as conversas ocorrem sem sua orientação ou seu conhecimento, Marta emendou: "Certamente, sem orientação. Conhecimento, de vez em quando, um ou outro comenta alguma coisa". A ministra também comentou a possibilidade de a rejeição das contas de sua campanha em 2004 impedir o registro de sua candidatura, caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) faça valer este ano uma resolução que trata do assunto. "Acho que isso vai ser resolvido e não vai criar maiores problemas", afirmou Marta.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições municipaisMarta Suplicy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.