Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Mario Covas Neto anuncia saída do PSDB e acusa partido de 'abandonar origens'

Vereador tem conversas avançadas com o Podemos e pretende se lançar ao Senado ou à Câmara dos Deputados

Daniel Weterman e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

01 Março 2018 | 21h55

SÃO PAULO - O vereador de São Paulo Mario Covas Neto anunciou oficialmente nesta quinta-feira, 2, sua saída do PSDB após 29 anos de filiação. Filho do ex-governador Mario Covas, ele alegou que o partido "deixou suas origens" e apontou dificuldades com o prefeito da capital paulista, João Doria, como razões para sua decisão.

"O PSDB não representa mais os ideais do meu pai. O partido virou um trampolim para chegar à máquina partidária", disse o parlamentar em uma carta distriuída a alidos. Ex-presidente municipal do PSDB, o vereador entrou em choque com os tucanos após perder a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

+++ Doria lamenta saída de Mario Covas Neto do PSDB

O anúncio foi feito foi feito na chamada Casa Mario Covas, no Alto de Pinheiros, local que abrigou comitê eleitoral durante suas campanhas. Agora, Mario Covas Neto afirmou que conversa com outros partidos e está de olho nas eleições deste ano. O Estadão/Broadcast apurou que o vereador tem conversas avançadas com o Podemos e pretende se lançar ao Senado ou à Câmara dos Deputados.

+++ Possível candidatura de Doria divide tucanos em São Paulo

Nos últimos dias, uma candidatura a vice-governador na chapa de Márcio França (PSB) também começou a ser aventada. "Pretendo tomar a decisão de ir ou não para algum partido até final de março, começo de abril", anunciou. Ele tem até o dia 7 de abril para se filiar a alguma legenda se quiser ser candidato. Se essa articulação se consolidar, o candidato do PSDB ao governo paulista teria o constrangimento de enfrentar o filho de um dos fundadores da legenda.

+++ Mário Covas Neto começa a se movimentar para disputar uma das vagas para o Senado em 2018

Em conversa com jornalistas, o vereador disse que nove partidos o procuraram para negociação. Covas Neto confirmou que pretende apoiar França para o governo do Estado e criticou a possibilidade de João Doria sair da Prefeitura para ser candidato à sucessão de Geraldo Alckmin. "Acho que ele desconstrói a imagem que fez na campanha de alguém que era um gestor e não político. Ao sair candidato, ele se torna carreirista e típico de um político", disse Covas.

+++ Nota do PSDB paulistano abre nova crise no partido

Ele ainda disse que Geraldo Alckmin, como presidente nacional do PSDB, tem "parcela de culpa" na fuga do partido das suas origens. Mas ressaltou que defenderia o nome de Alckmin como candidato a presidente da República se estiver em um partido que apoie a candidatura do PSDB ao Planalto. O vereador revelou que conversou com Alckmin sobre sua decisão e que o governador pediu para ele "esperar um pouco mais", mas que na ocasião "já era tarde".

Causas. Como razões de sua desfiliação, o vereador apontou como a "gota d'água" a decisão do PSDB em tirá-lo da presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Municipal e ter ouvido de tucanos que ele seria um "vereador crítico" da administração municipal. Covas alegou que nunca promoveu oposição a Doria no Legislativo, mas que desde o começo do mandato avisou que não diria "amém" para todas as decisões do prefeito.

Além disso, a falta de apoio declarado à saída do presidente Michel Temer do poder após denúncias contra o emedebista no ano passado, a ausência de consenso em relação à reforma da Previdência e a incapacidade do partido encontrar consenso em pautas nacionais foram citadas pelo vereador como motivações de sua decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.