Marinho usou offshore, suspeita promotoria

O Ministério Público de São Paulo suspeita que recursos que transitaram pela conta da offshore MCA Uruguay em Genebra, Suíça, foram repassados para conta do conselheiro Robson Marinho, do Tribunal de Contas do Estado, supostamente envolvido no caso Alstom - empresa francesa que teria pago propinas para garantir contratos de obras do metrô.As atividades da MCA foram reveladas por um ex-procurador da offshore no Brasil. Ele contou que por volta de 1994 conheceu Philippe Jaffre, diretor financeiro da Alstom e responsável pela aquisição dos direitos da MCA nas Ilhas Virgens Britânicas. O ex-procurador disse que assinou contratos dos projetos do metrô denominados Gisel I e Gisel II - por meio dos quais teria saído a propina. Ele confirmou que recebeu no Brasil e enviou à Suíça US$ 1 milhão, embora não tenha prestado serviços. Disse conhecer Marinho, que nega ter conta na Suíça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.