Marinho aprova recuo do governo, mas diz ser "insuficiente"

O governo federal acertou ao voltar atrás e não elevar a contribuição das empresas ao INSS para quitar a dívida de mais de R$ 12 bilhões com os aposentados. A opinião é do presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, que ressalva, entretanto, que a medida adotada ainda é "insuficiente"."O governo precisa se preocupar em manter ou aumentar sua arrecadação pelo ganho de escala de produção e não reajustando a carga tributária", disse à Agência Estado, antes de participar do "4º Seminário Pesquisa e Ação Sindical ", realizado no Braston Hotel, em São Paulo, pela CUT, pelo Instituto Observatório Social, pela AFL-CIO (maior central de trabalhadores dos Estados Unidos) e pela Fundação Friedrich Ebert (Alemanha).Marinho avaliou como positiva a garantia de que não haverá aumento da contribuição empresarial, mesmo que o governo adie por um ano a prometida redução de carga tributária e encargos sobre folha de pagamento."Não sei o que vinha (sobre a redução de carga) e não tínhamos segurança sobre o que o governo pretendia neste caso. O próprio ministro Antonio Palocci (Fazenda) só citou as compensações quando houve uma reação muito forte da opinião pública quando anunciaram o aumento da contribuição ao INSS", avaliou.EntendimentosMarinho voltou a insistir que o governo procure estabelecer um sistema de negociação com empresários e representantes dos trabalhadores. O objetivo, segundo ele, seria garantir um programa de metas de redução de juros e carga tributária compensado pela diminuição de preços de produtos, geração de empregos e estabilidade de abastecimento."Sabemos que temos problemas de gargalo na infra-estrutura, mas também podemos ter, no curto prazo, problemas de oferta de produtos, porque o País está crescendo economicamente, mas a produção não está acompanhando esse movimento. Precisamos de um choque de produção para não haver risco de inflação e comprometermos nosso futuro de curto prazo, como o crescimento econômico de 2006 e 2007", cobrou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.