ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Marina se compromete contra 'vale-tudo' eleitoral na internet

Pré-candidata foi a primeira a aderir a movimento que propõe uso ético da tecnologia durante a eleição

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2018 | 17h39

BRASÍLIA - A ex-ministra Marina Silva foi a primeira pré-candidata à Presidência a aderir a um movimento que propõe o "uso ético da tecnologia" durante a eleição. Sob o slogan "Não Vale Tudo", organizações da sociedade civil elaboraram uma carta-compromisso para tentar evitar o jogo sujo eleitoral, especialmente na internet. 

+ Sem mencionar Meirelles, Alckmin defende coalizão 'do centro democrático'

O documento foi organizado pelos institutos AppCivico, Idec, Internet Lab, Instituto Tecnologia & Equidade, Instituto Update, Transparência Partidária e Open Knowledge Brasil.

Segundo Ariel Kogan, da Open Knowledge Brasil, até agora apenas Marina procurou o movimento para endossar a iniciativa, mas o objetivo é que outros políticos também se comprometam publicamente com a ideia. Para isso, explica, basta que os pré-candidatos divulguem a carta em suas redes sociais, como fez presidenciável da Rede. 

“Assumo novamente o compromisso de fazer uma campanha ética, sem fazer uso da violência ou mentiras contra os adversários. A forma como se ganha determina a forma como se governa. #NãoValeTudo para ganhar uma eleição!”, disse a ex-ministra, que já concorreu duas vezes ao Palácio do Planalto, pelo Twitter.

EUA 

A carta elaborada pelas organizações cita os casos da eleição dos Estados Unidos, a saída do Inglaterra da União Europeia e os e as discussões sobre o acordo de paz na Colômbia para mostrar que as ferramentas virtuais podem ser utilizadas de diferentes maneiras e com diferentes objetivos. 

“Estes exemplos recentes nos preocupam, pois indicam que atividades como a coleta e o uso indevido de dados pessoais para direcionamento de propaganda, o uso de robôs e perfis falsos para simular movimentos e posicionamentos políticos e métodos de disseminação de informações falsas podem ter efeitos significativos nos direitos de acesso à informação, liberdade de expressão e associação e de privacidade de todas e todos nós”, afirma o texto. Entre os princípios desenhados estão o combate à produção e disseminação de notícias falsas, à criação e uso de perfis falsos, e a sugestão de que os candidatos deveriam prestar contas do uso de tecnologias durante a campanha, dando publicidade sobre quais softwares, aplicativos e serviços de análise de dados foram utilizados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.