Marina: saída de Palocci pode agravar diálogo político

A ex-senadora Marina Silva avaliou hoje que o governo da presidente Dilma Rousseff carece de mais diálogo com o Congresso Nacional e que, com a saída de Antonio Palocci da chefia da Casa Civil, o problema poderá se agravar. Em seminário sobre sustentabilidade, realizado hoje em São Paulo, Marina comparou a demissão de Palocci com a saída do então ministro José Dirceu do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

09 de junho de 2011 | 15h26

"Nós não tivemos um problema na liderança política porque o Lula é a liderança política. Neste caso, a presidente Dilma tem um perfil gerencial e a nova chefe da Casa Civil (Gleisi Hoffmann), também. Portanto, deve haver uma conexão urgente com a dimensão política", analisou a candidata derrotada do PV à Presidência da República em 2010.

Marina acredita que a saída de Palocci foi necessária em virtude do desdobramento da crise política deflagrada pelas denúncias de rápido enriquecimento do ex-ministro. Para ela, Palocci demorou a dar explicações. "Explicação pública é fundamental e isso (demora em se explicar) deu um prejuízo político, sim, para o governo", afirmou Marina, que espera investigações sobre a evolução patrimonial de Palocci mesmo após a saída dele do governo.

A ex-senadora revelou ainda que, no início da crise política, ela já avaliava que Dilma precisaria encontrar a sua própria Dilma. "Eu disse para alguns amigos que a presidente Dilma precisava encontrar a Dilma dela." Questionada se Gleisi pode ser essa pessoa, Marina desconversou. "É uma pergunta para você deixar no ar", respondeu a ex-presidenciável após alguns segundos pensando na resposta.

De acordo com Marina, Dilma precisa entrar na articulação política com o Congresso e ninguém pode fazer isso por ela, nem mesmo seu vice-presidente, Michel Temer (PMDB-SP). "Não se pode substituir o papel da presidente", justificou. A ex-senadora ressaltou que o diálogo com o Parlamento é importante para governabilidade. "A política é fundamental na mediação de conflitos e na busca de soluções."

Temer

Marina recomendou a Temer que, neste momento de crise, se inspire no ex-vice-presidente da República José Alencar, morto no fim de março. "Sem uma pessoa no governo como nosso vice José Alencar, que foi muito importante nos momentos de crise que o presidente Lula atravessou, fica difícil. Ele foi um ponto de equilíbrio. Espero que haja responsabilidade política para que o Brasil não tenha qualquer tipo de retrocesso."

Além de citar Alencar, Marina mencionou o ex-vice-presidente Marco Maciel como exemplo de alguém que cumpriu seu papel de vice. "Não vou ficar aqui dizendo a altura ou a profundidade das pessoas. Nosso saudoso vice-presidente (Alencar) deve ser a inspiração para qualquer vice. Estou dizendo que ele (Temer) pode se inspirar em José Alencar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.