Marina: relação 'Lula-Chávez' deixa Colômbia insegura

A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, fez coro hoje ao presidenciável do PSDB, José Serra, e condenou a atuação da diplomacia brasileira na América Latina, principalmente na mediação do conflito entre Venezuela e Colômbia. "Talvez tenhamos de recuperar nossa credibilidade política como mediador de conflitos", sugeriu.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

26 Julho 2010 | 19h41

Marina defendeu uma ação mais proativa do Brasil entre os países vizinhos e disse que o alinhamento entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o venezuelano Hugo Chávez gera insegurança no governo colombiano. "Isso faz com que eles sintam que não estamos tão credenciados, com atitude suficientemente neutra para mediar o conflito", avaliou.

A candidata negou que, se eleita, pretende romper relações com governos polêmicos, como o de Chávez. Para Marina, a relação entre os chefes de Estado deve ser baseada em princípios, e não em afinidade ideológica. "Não podemos ter uma relação de ruptura. Muitas coisas precisam ser preservadas", ponderou. A candidata também defendeu o fortalecimento do Mercosul como zona de livre comércio. "Hoje não é uma zona de livre comércio, nem uma união aduaneira", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.