Marina reinicia criação de partido, mas Rede será menor

Apoio a Aécio no 2º turno rachou grupo político da ex-ministra e dissidentes cogitam montar sigla 'horizontal de esquerda'

PEDRO VENCESLAU , O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2014 | 02h02

Terceira colocada na eleição presidencial deste ano, a ex-ministra Marina Silva deixará o PSB no começo de 2015, quando pretende apresentar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os papéis necessários para a segunda tentativa de transformar em partido o seu grupo político, a Rede Sustentabilidade. A movimentação ocorre ainda sob impacto do racha entre os "marineiros" após a decisão de apoiar o tucano Aécio Neves no 2.º turno.

A coleta de assinaturas, que estava congelada, foi retomada logo após a votação de 26 de outubro, Pelas contas dos dirigentes do grupo, faltam 32 mil rubricas certificadas para se atingir as 483 mil exigidas pela lei. O número diminuiu em relação à 2013, quando o TSE negou o primeiro pedido de registro da Rede, porque o cálculo leva em conta a última votação para a Câmara dos Deputados - em 2014, houve menos votos válidos que em 2010.

Durante a campanha, quando Marina liderava as pesquisas de intenção de voto, os integrantes da Rede cogitaram a possibilidade de ficar no PSB, em caso de vitória. Após o 1.º turno, dirigentes do partido deixaram aberta a possibilidade de manter os marineiros na legenda como uma corrente interna. A ideia, porém, foi rechaçada.

Quando se constituir como partido, a Rede poderá receber deputados eleitos em outubro por outras legendas em suas fileiras, mas não herdará o tempo de TV nem os recursos do Fundo Partidário referentes a esses parlamentares. "Essa é uma questão dramática", diz Walter Feldman, porta-voz do grupo.

Ele afirma acreditar na possibilidade de reverter no Supremo Tribunal Federal a Lei 12.875, de outubro de 2013, que fechou as chamadas "janelas partidárias". "Isso dificulta. Essa foi uma lei anti-Rede criada pelo Congresso", diz Feldman. O assunto será discutido no dia 22, quando a direção executiva da Rede se reunirá em Brasília com Marina.

Debandada. Se o TSE reconhecer a Rede como um partido político, a nova legenda nascerá menor que era em outubro de 2013, quando o plenário do tribunal rejeitou a criação da sigla por 6 votos a 1.

Por causa do apoio de Marina a Aécio, houve uma debandada de dirigentes e militantes da Rede. "Na executiva de São Paulo, por exemplo, 7 dos 12 integrantes saíram", diz Célio Turino, ex-porta-voz dos marineiros em São Paulo. O grupo também perdeu quadros importantes em Minas Gerais e em outros Estados. "O apoio ao Aécio sinalizou outro caminho e criou um ambiente muito ruim. Isso aflorou um conservadorismo na Rede", considera Turino.

Segundo ele, os que deixaram o grupo já se articulam para criar um outro partido, inspirado no "Podemos", agremiação espanhola de matriz esquerdista. "Falta no Brasil uma alternativa claramente de esquerda e que seja ampla e horizontalizada", afirma o ex-marineiro.

"Havia um grupo que, com visão mais à esquerda, já questionava a entrada no PSB e sentiu-se incomodado com a aproximação com o PSDB", reconhece Feldman, que foi tucano na maior parte da carreira política.

Tudo o que sabemos sobre:
Marina SilvaRede Sustentabilidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.