Marina pede à coligação que fique fora de 'guerra suja'

Em uma carta com duas páginas, a ex-candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, pediu que neste segundo turno da sucessão presidencial os partidos que integraram sua coligação se recusem a participar da "guerra suja da destruição" e que não abram mão do debate programático de "alto nível".

RICARDO DELLA COLETTA, DAIENE CARDOSO E JOÃO DOMINGOS, Estadão Conteúdo

09 de outubro de 2014 | 14h24

Marina, que não compareceu ao encontro marcado para esta manhã, agradeceu o apoio do PPS, PPL, PRP, PHS, PSB e PSL na primeira fase da campanha e destacou a união das siglas em torno do programa de governo. O documento foi duramente atacado pelos adversários.

"Vivemos quarenta dias enfrentando uma das campanhas de destruição mais sórdidas e mentirosas já feitas na história do País e estamos fortes, inteiros para continuar nossos caminhos, agora mais qualificados, mais consistentes, mais refletidos, mais desafiados", diz a ex-senadora na carta, referindo-se implicitamente aos ataques do PT.

Sem citar nominalmente o candidato tucano Aécio Neves, a ex-candidata disse que aguardaria a definição dos partidos sobre os compromissos que deveriam ser assumidos pela "candidatura identificada com o sentimento de mudança, de modo que eles se expressem em atitudes, políticas, ações e modelo de governança que de fato materializem novos tempos para o Brasil".

Previsto para ser anunciado hoje, Marina adiou seu comunicado, e amanhã a coligação deve encaminhar o conjunto de propostas ao tucano. Marina só anunciará sua posição depois que Aécio se manifestar sobre os compromissos programáticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.