Marina: Lula não precisa de opositor, mas de sucessor

Em mais uma tentativa de se diferenciar de seus oponentes, a senadora Marina Silva (AC), candidata do PV à Presidência da República, disse hoje não ser oposição ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nem continuidade do governo e se colocou como sua sucessora. "Lula não precisa de quem faça oposição por oposição, sem reconhecer os ganhos, nem de um continuador que acha que está tudo bem e que é só continuar acelerando na mesma direção. Ele precisa de um sucessor que seja capaz de integrar as conquistas e agregar uma nova direção", afirmou em sabatina promovida pelo jornal "Folha de S.Paulo". "Me coloco como sucessora de Lula", afirmou.

ANA CONCEIÇÃO, Agência Estado

16 de junho de 2010 | 15h41

Num elogio ao presidente, Marina disse que o próprio Lula se comportou como sucessor de Fernando Henrique Cardoso. "Ele sucedeu ao presidente FHC e foi capaz de manter as conquistas do Plano Real, mas agregou conquistas em políticas sociais. Se ele fosse apenas um continuador, talvez fosse pelo mesmo caminho da estabilidade, sem distribuição de renda", disse.

A senadora reiterou que os candidatos do PT, Dilma Rousseff, e do PSDB, José Serra, "são muito parecidos", com a mesma visão de desenvolvimento econômico sem bases sustentáveis. "Exatamente por não ter sido capaz de superar todas as dificuldades que o Brasil tem é que Lula não precisa apenas de um continuador, mas de um sucessor", disse.

À vontade durante a sabatina, em que foi questionada por jornalistas e espectadores, a senadora contou aspectos já conhecidos de sua biografia, como a alfabetização aos 16 anos, as dificuldades do primeiro parto e a peregrinação por hospitais durante sua juventude. Mas disse estar apta fisicamente para governar: "Estou muito bem há anos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.