Marina: funcionário fantasma precisa ser investigado

A existência de funcionários fantasmas tem de ser investigada em qualquer que seja a instituição e as providências do ponto de vista legal precisam ser tomadas, na opinião Marina Silva, candidata a vice-presidente na chapa de Eduardo Campos (PSB). Funcionários do Serviço Social da Indústria (Sesi) denunciaram à Corregedoria Geral da União (CGU) no começo do ano a existência de fantasmas nos quadros da entidade, conforme informou a Revista Época deste fim de semana.

ALINE BRONZATI - ALINE.BRONZATI@ESTADAO.COM, Estadão Conteúdo

03 de agosto de 2014 | 14h48

Os funcionários, conforme a reportagem, teriam sido indicados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outros integrantes do PT. Dois deles, conforme a publicação, são próximos de Lula, sua nora Marlene Araújo Lula da Silva e a mulher do ex-deputado João Paulo Cunha, condenado no processo do Mensalão, Márcia Regina Cunha.

"Funcionário fantasma não pode existir em qualquer que seja a instituição. Se eles existem, providências do ponto de vista legal devem ser tomadas. Existem processos institucionais em qualquer que seja a situação", disse Marina, ao Broadcast Político.

Ela participou de caminhada no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, na manhã deste domingo (03), ao lado da ex-prefeita de São Paulo e deputada federal Luiza Erundina (PSB). Também estavam presentes integrantes da Rede Sustentabilidade (Rede), partido fundado por Marina em fevereiro deste ano, como o ex-deputado federal Walter Feldman.

Sobre a existência de uma possível fraude na CPI da Petrobras, Marina disse que não teve tempo de acompanhar o assunto, denunciado pela edição da revista Veja deste final de semana, pois estava viajando. Conforme a publicação, a farsa consistia em fornecer antecipadamente aos investigados as perguntas que os parlamentares da CPI da Petrobras fariam e treiná-los para responder a elas. Marina participou ontem da Festa Internacional Literária (Flip), em Paraty (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.