Marina diz que não recorrerá ao STF sobre registro

A ex-senadora Marina Silva disse a Rede não pretende recorrer ao Supremo Tribunal Federal da decisão do TSE que não concedeu registro à sigla. Ela disse, em coletiva nesta sexta-feira, que vive um grande desafio pessoal e que tomará uma decisão sobre o seu futuro na disputa eleitoral de 2014 apenas neste sábado, 05.

DAIENE CARDOSO E ERICH DECAT, Agência Estado

04 de outubro de 2013 | 18h16

Segundo ela, em sua análise vai pesar a manutenção dos "princípios" defendidos pelo seu grupo responsável pela estruturação do partido Rede. Marina tem convite de ao menos sete legendas para disputar as próximas eleições. O prazo de filiação para aqueles que vão disputar o próximo pleito expira neste sábado, 05.

"As minhas decisões serão programáticas e não terão caráter pragmático" afirmou. Segundo ela, também será levado em consideração os partidos "preocupados com agenda de reformas". De forma evasiva, Marina disse que sua definição será no intuito de acabar com o fim da polarização nas eleições entre o PT e o PSDB.

Na noite de quinta-feira, 03, por um placar de 6 votos contra e um a favor, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou o pedido de registro da Rede. O principal argumento foi de que a legenda conseguiu apenas 442,5 mil assinaturas de um total de 492 mil exigidas pela Lei Eleitoral. Logo após a decisão, Marina se reuniu com integrantes do partido durante a madrugada.

Nas últimas eleições de 2010, a ex-senadora recebeu cerca de 20 milhões de votos e foi responsável por conduzir a disputa para o segundo turno. Atualmente, ela aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de votos, atrás apenas da presidente Dilma Rousseff.

Tudo o que sabemos sobre:
RedeMarinaSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.